acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Shell

Shell fecha seguro de US$ 1,5 bi para operações no país

26/10/2009 | 09h39
O setor de petróleo e os negócios ligados ao pré-sal, em particular, prometem ser uma mina de ouro para as seguradoras. A Shell acaba de fechar um mega-apólice de US$ 1,5 bilhão para a cobertura de toda a sua produção e extração do produto no país, em terra e no mar. No setor, o contrato só perde para a Petrobras, dona hoje do maior seguro do Brasil.

O contrato protege todos os blocos de produção da petroleira holandesa no país, como os da Bacia de Campos, de Santos e do Espírito Santo. Também inclui um navio plataforma e a distribuição de combustível para aviões em 50 aeroportos brasileiros.

Para colocar a apólice na praça, a Shell fez há algumas semanas reuniões individuais com as principais seguradoras que atuam com grandes riscos para o setor de petróleo. A Allianz Seguros foi a vencedora.

O contrato será para o período 2009/2010 e cobre riscos patrimoniais e responsabilidade civil (danos causados a terceiros). Por questões contratuais, o valor do prêmio não foi revelado.

A própria seguradora cativa do grupo Shell, a Solen Versicherungen ficou com todo o resseguro (uma espécie de seguro do seguro, feito para diluir riscos). Na estratégia montada, a Solen, com sede na Suíça, primeiro retém todo o risco e depois repassa parte dele a um "pool" de resseguradoras no mercado. No setor de petróleo, há dois centros mundiais que concentram as resseguradoras que atuam no segmento, um em Londres e outro em Houston (EUA).

Ângelo Colombo, diretor de grandes riscos da Allianz, avalia que a própria apólice da Shell é um indício dos negócios bilionários que virão por aí. "Pela primeira vez, os contratos de resseguro do setor estão sendo traduzidos para o português. O Brasil não tinha experiência nenhuma na área. Mas como será um produtor de petróleo, isso está mudando", diz ele. A apólice da Shell foi toda desenhada por técnicos brasileiros. "Isso era uma coisa impensável há alguns anos."

A própria petroleira, prevendo mais negócios no futuro, resolveu trazer sua resseguradora ao país. Segundo uma fonte do setor, vai pedir licença à Superintendência de Seguros Privados (Susep) que a Solen opere localmente.

A Shell foi a primeira empresa estrangeira a participar da extração de petróleo no Brasil. Em boa parte dos campos atua em parceria com a Petrobras. No ano passado, ganhou a concessão para atuar na Bacia de São Francisco (MG), na qual todo o investimento será da Shell.

Os investimentos ligados ao pré-sal devem movimentar bilhões de dólares. Só a Petrobras estima que precisa gastar US$ 111 bilhões para extrair o óleo de um lugar tão profundo.

Tudo isso pode se reverter em prêmios polpudos para o setor de seguros. Colombo, da Allianz, avalia que o maior desafio para as seguradoras e resseguradoras será calcular o risco e as taxas para um tipo de exploração novo, que não existe em outro lugar do mundo e que vai exigir equipamentos e técnicas diferenciadas.

Várias petroleiras estrangeiras, como a francesa Total, e a Petoro, a estatal norueguesa, anunciaram que querem participar desse mercado. A própria Shell também vai participar. No ano passado, por conta dos investimentos em petróleo, fechou uma apólice de US$ 1 bilhão para a construção de uma plataforma na Bacia de Campos (a BC-10). A apólice ficou com o Itaú XL.

O maior contrato de seguro no setor de petróleo no país é o da Petrobras, atualmente com o Itaú. São US$ 40 bilhões de ativos cobertos (incluindo plataformas marítimas, refinarias, responsabilidade civil e transporte de produto).

Fonte: Valor Econômico

Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar