Desinvestimento

Por US$ 10 milhões, os campos de Cherne e Bagre na Bacia de Campos serão operados pela Perenco

Redação TN Petróleo, Agência Petrobras
18/04/2024 09:04
Por US$ 10 milhões, os campos de Cherne e Bagre na Bacia de Campos serão operados pela Perenco Imagem: Divulgação Petrobras Visualizações: 2758 (0) (0) (0) (0)

A Diretoria Executiva da Petrobras aprovou, em reunião realizada hoje (17/4), a cessão da totalidade de sua participação nos campos de Cherne e Bagre, localizados em águas rasas na Bacia de Campos, para a  Perenco. A produção dos dois campos foi interrompida em março de 2020 e as respectivas plataformas estão hibernadas desde então. 

O valor a ser recebido pela Petrobras com a operação é de US$ 10 milhões,  sendo US$ 1 milhão pagos na data de assinatura do contrato para a cessão dos ativos e o restante no fechamento da transação, sujeito aos ajustes previstos no contrato.

A transferência desses campos para a Perenco traz a perspectiva de retomada da produção pelo novo operador, configurando alternativa mais vantajosa para a Petrobras em comparação à opção de descomissionamento das instalações e devolução das concessões à ANP. Ao mesmo tempo, essa transação possibilita que a Petrobras direcione seus investimentos no segmento de E&P para ativos mais aderentes à estratégia da companhia, que envolve, entre outros fatores, a descarbonização crescente das operações.

Não haverá prejuízo ou transferência de qualquer empregado da Petrobras em decorrência da cessão dos ativos, uma vez que a maior parte dos trabalhadores que atuavam na operação já foi realocada para outras atividades da companhia. O efetivo mínimo mantido para manutenção dos ativos hibernados integrará outras operações após a conclusão da transferência dos campos. 

Mais Lidas De Hoje
Veja Também
Newsletter TN

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

20