acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Rio de Janeiro registra saldo comercial negativo de US$ 245 milhões e preço do barril do petróleo impacta na conta

29/03/2019 | 13h05

A balança comercial do estado do Rio nos dois primeiros meses do ano foi impactada pela queda no preço internacional do barril do petróleo, principal item da pauta exportadora fluminense, e também pela desaceleração da economia mundial. Esses são alguns fatores que podem ter influenciado o resultado acumulado em janeiro e fevereiro, quando o estado registrou saldo comercial negativo de US$ 245 milhões.

É o que aponta a edição de março do Rio Exporta, boletim de comércio exterior elaborado pela Firjan. Em 2018, o estado atingiu recorde histórico da corrente comercial, que totalizou US$ 53,7 bilhões, obtendo superávit de US$ 5,7 bilhões.

Neste início de 2019, até fevereiro, as exportações diminuíram 13%, ficando em US$ 3,8 bilhões, enquanto as importações aumentaram 4%, somando US$ 4 bilhões. Assim, o cenário foi deficitário, devido à diminuição de 26% nas vendas externas de petróleo.

Entretanto, as exportações de outros produtos aumentaram 12%. O resultado gerou uma corrente de comércio 5% menor que o mesmo período do ano passado. Já a representatividade do estado no comércio exterior do Brasil correspondeu a 12%.

Especialista em Comércio Exterior da Divisão Internacional da Firjan, Flávia Cristina Lima Alves destaca os setores com aumento nas exportações, como outros equipamentos de transporte (partes de motores e turbinas para aviação), coque e produtos derivados de petróleo, além de máquinas e equipamentos.

A especialista ressalta também que o Nafta foi o parceiro mais relevante no período, por conta dos Estados Unidos, em consequência das vendas de US$ 725 milhões, 93% superiores aos valores do mesmo período de 2018. Singapura também se destacou como um dos principais destinos dos produtos fluminenses (US$ 93 milhões), exportando 60% a mais que no ano anterior.



Fonte: Redação/Assessoria Firjan
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar