acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
E&P

Petrosynergy descobre petróleo no Rio Grande do Norte

05/05/2005 | 00h00

A Petrosynergy (empresa do grupo da Marítima, do empresário German Efromovich) realizou sua segunda descoberta de petróleo no Rio Grande do Norte em abril. O diretor de exploração e Produção da Petrosynergy, Flávio Mach Barreto, explicou que empresa avaliará a viabilidade comercial da área nos próximos cinco ou seis e meses, mas disse que a qualidade do petróleo encontrado é boa, com 34 a 38 graus API (medida de densidade). De acordo com padrões internacionais, quanto mais próxima de 50 esta medida, melhor a qualidade do óleo.
De acordo com Barreto, a descoberta ocorreu na primeira perfuração da empresa no bloco BT-POT 3, adquirido na 2ª Rodada de Licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP), em 1999. A perfuração de poços foi atrasada em quase dois anos na área devido a problemas com o proprietário do terreno onde foi feita a perfuração.
O executivo explicou que o dono da fazenda onde ocorreu a descoberta não autorizou a perfuração de poços no local e a empresa teve de ir à Justiça para conseguir a licença. Pela legislação brasileira, o proprietário do terreno não é dono do mineral encontrado no subsolo da área, que pertence a União que é quem dá a concessão para a exploração de petróleo e gás.
A empresa tem ainda outra descoberta em avaliação no Rio Grande do Norte, no BT-POT-5. Neste bloco, Barreto disse que a companhia perfurará mais dois poços entre junho e julho para avaliar a extensão da descoberta. A empresa ainda aguarda a assinatura de contrato com algum comprador para iniciar a produção do campo de Uirapuru, no recôncavo Baiano.
De acordo com Barreto, a empresa compradora ainda está estudando qual a melhor solução logística para transportar os cerca de 700 barris diários previstos para o campo. O executivo afirmou ainda que o escoamento do óleo não depende do terminal portuário que a Marítima pretende construir na Bahia.



Fonte: Tribuna do Norte
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar