acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Mercado de combustíveis alcança 125 bilhões de litros em 2013

19/12/2013 | 16h07
Mercado de combustíveis alcança 125 bilhões de litros em 2013
Agência Petrobras Agência Petrobras

 

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom) divulgou o balanço do mercado de combustíveis do ano de 2013, e os números foram na sua maioria positivos. Com uma alta de 5,2% em relação a 2012, a venda de combustíveis chegou a marca de 125 bilhões de litros. Esse é o quarto ano consecutivo que o mercado de combustíveis cresce mais que o PIBPelos números divulgados, o óleo diesel continua sendo maioria no setor com 47% de participação, seguido da gasolina e do etanol. 
O biocombustível aliás foi um dos destaques de 2013, com aumento da oferta do etanol, que nos estados de Goiás, Mato Grosso, Paraná e São Paulo ficou mais vantajoso do que a gasolina. De acordo com Jorge Luiz Oliveira, diretor executivo do Sindicom, o crescimento nas vendas do etanol em 20% se deveu principalmente à desoneração de Pis/Cofins nas distribuidoras e no produtor. 
Já as vendas de diesel tiveram um aumento de 5,1% em todo o mercado e de 4,3% nas empresas associadas ao sindicato. Segundo a entidade, os percentuais foram inferiores a 2012, refletindo efeitos da evolução modesta da economia, já que o produto é muito utilizado no transporte de passageiros e na agropecuária. O Sindicom adiantou ainda que 22% do total de diesel vendido hoje no país já é do diesel S-10, de baixo teor de enxofre. 
Um dos produtos que tiveram queda nas vendas foi o Gás Natural Veicular (GNV), que teve redução de 4%, sendo que a queda das empresas do Sindicom foi de 8,5%. Outro produto que não teve um 2013 bom foi o querosene de aviação (QAV) com uma redução de 1%, muito por causa da redução do número de voos domésticos pelas empresas aéras brasileiras. "A otimização das operações das companhias aéreas esse ano levou a essa queda", disse Jorge Luiz. 
O relatório do Sindicom apontou também uma disparada nas vendas de óleo combustível em 2013, em 26%, puxadas pelas usinas térmicas que foram acionadas boa parte do ano, aumentando o consumo. Quem também registrou alta de 6,6% em relação a 2012 foi o óleo lubrificante que alcançou a marca de 1,3 bilhão de litros comercializados. Dentros os motivos desse crescimento estão o aumento da frota automotiva, que corresponde a 70% das vendas e a continuidade da expansão agrícola. 

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom) divulgou o balanço do mercado de combustíveis do ano de 2013, e os números foram na sua maioria positivos. Com uma alta de 5,2% em relação a 2012, a venda de combustíveis chegou a marca de 125 bilhões de litros. Esse é o quarto ano consecutivo que o mercado de combustíveis cresce mais que o PIB. Pelos números divulgados, o óleo diesel continua sendo maioria no setor com 47% de participação, seguido da gasolina e do etanol. 


O biocombustível aliás foi um dos destaques de 2013, com aumento da oferta do etanol, que nos estados de Goiás, Mato Grosso, Paraná e São Paulo ficou mais vantajoso do que a gasolina. De acordo com Jorge Luiz Oliveira, diretor executivo do Sindicom, o crescimento nas vendas do etanol em 20% se deveu principalmente à desoneração de Pis/Cofins nas distribuidoras e no produtor. 


Já as vendas de diesel tiveram um aumento de 5,1% em todo o mercado e de 4,3% nas empresas associadas ao sindicato. Segundo a entidade, os percentuais foram inferiores a 2012, refletindo efeitos da evolução modesta da economia, já que o produto é muito utilizado no transporte de passageiros e na agropecuária. O Sindicom adiantou ainda que 22% do total de diesel vendido hoje no país já é do diesel S-10, de baixo teor de enxofre. 


Um dos produtos que tiveram queda nas vendas foi o Gás Natural Veicular (GNV), que teve redução de 4%, sendo que a queda das empresas do Sindicom foi de 8,5%. Outro produto que não teve um 2013 bom foi o querosene de aviação (QAV) com uma redução de 1%, muito por causa da redução do número de voos domésticos pelas empresas aéras brasileiras. "A otimização das operações das companhias aéreas esse ano levou a essa queda", disse Jorge Luiz. 


O relatório do Sindicom apontou também uma disparada nas vendas de óleo combustível em 2013, em 26%, puxadas pelas usinas térmicas que foram acionadas boa parte do ano, aumentando o consumo. Quem também registrou alta de 6,6% em relação a 2012 foi o óleo lubrificante que alcançou a marca de 1,3 bilhão de litros comercializados. Dentros os motivos desse crescimento estão o aumento da frota automotiva, que corresponde a 70% das vendas e a continuidade da expansão agrícola. 



Fonte: Redação TN Petróleo/ Rodrigo Miguez
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar