acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Manifestantes protestam no Equador contra exploração de petróleo

28/08/2013 | 10h02

 

Manifestantes, com os rostos encobertos, promoveram um protesto no centro de Quito, capital do Equador, para criticar o desenvolvimento de campos petrolíferos na região de Yasuní. Líderes indígenas de destaque no país, como Humberto Cholango e Lourdes Tibán, participaram do movimento e organizaram uma passeata até a Praça Grande, no centro histórico da cidade. No local, havia também manifestantes favoráveis à decisão do governo de desenvolver os campos de exploração.
A manifestação ocorreu na terça-feira (27) no fim da tarde. Cholango disse que o objetivo do movimento era promover uma ação pacífica, sem violência. Para ele, é fundamental que a população equatoriana seja consultada sobre a decisão do governo de explorar petróleo na área de Yasuní.
Manifestantes acusaram policiais de uso de balas de borracha e gás lacrimogêneo para dispersar o protesto. No entanto, o ministro do Interior, José Serrano, negou a ação. Segundo ele, toda a operação foi pacífica.
O ministro pediu que três médicos examinem alguns manifestantes para verificar se os ferimentos que têm foram causados por balas de borracha e gás. Serrano disse que a Polícia Nacional evitou confrontos.

Manifestantes, com os rostos encobertos, promoveram um protesto no centro de Quito, capital do Equador, para criticar o desenvolvimento de campos petrolíferos na região de Yasuní. Líderes indígenas de destaque no país, como Humberto Cholango e Lourdes Tibán, participaram do movimento e organizaram uma passeata até a Praça Grande, no centro histórico da cidade. No local, havia também manifestantes favoráveis à decisão do governo de desenvolver os campos de exploração.


A manifestação ocorreu na terça-feira (27) no fim da tarde. Cholango disse que o objetivo do movimento era promover uma ação pacífica, sem violência. Para ele, é fundamental que a população equatoriana seja consultada sobre a decisão do governo de explorar petróleo na área de Yasuní.


Manifestantes acusaram policiais de uso de balas de borracha e gás lacrimogêneo para dispersar o protesto. No entanto, o ministro do Interior, José Serrano, negou a ação. Segundo ele, toda a operação foi pacífica.


O ministro pediu que três médicos examinem alguns manifestantes para verificar se os ferimentos que têm foram causados por balas de borracha e gás. Serrano disse que a Polícia Nacional evitou confrontos.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar