Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás natural

Mais competitivo, gás natural é alternativa ao GLP para empresas e indústrias

20/07/2021 | 14h52

Na primeira semana deste mês de julho, a Petrobras anunciou um aumento de 6% no preço médio de venda do GLP, no mês anterior esse aumento havia sido de 5,9%, em abril 5%. Com os seguidos reajustes mensais, o Gás Natural para empresas e indústrias volta a ganhar destaque, como uma opção mais econômica, segura e eficiente.

Institucional“Toda vez que o gás natural é comparado ao GLP, a tendência é que ele fique sempre mais competitivo, chegando normalmente a 30% de diferença”, afirma Rui Pires dos Santos, diretor-presidente da MSGÁS, empresa mista que realiza o abastecimento de gás natural em Mato Grosso do Sul. No site da companhia é possível inclusive utilizar o simulador para que possa ser feito o cálculo de economia baseado no consumo de GLP, uma ótima ferramenta para quem pretende confirmar a viabilidade econômica do uso do gás natural em seu negócio.

Hoje, a MSGÁS tem uma rede de distribuição de gás canalizado de 209 quilômetros em Campo Grande, passando por regiões do centro da cidade e as avenidas Afonso Pena, Júlio de Castilhos, Nelly Martins, Coronel Antonino, Bom Pastor, Ernesto Geisel, Duque de Caxias, Hiroshima, Mato Grosso e outras.

“Até o final do ano devemos entregar novas expansões na rede de gás natural, contemplando mais consumidores”, pontua o diretor-presidente. Ainda em julho de 2021 a empresa inicia as obras na Av. Ana Luisa de Souza, no bairro Pioneiros.

Mais vantagens – Além de ser mais econômico que o GLP, o gás natural é também mais seguro e mais limpo, porque não deixa resíduos como o gás de cozinha, por exemplo, e também porque causa menos impacto ao meio ambiente. Um dos fatores é o fato de que, por ele ser canalizado, seu abastecimento reduz o tráfego de veículos utilizados no comércio do gás em botijão.

É considerado também mais seguro porque não tem estocagem, como explica o diretor-presidente: “Por se tratar de um gás canalizado, basta fechar uma válvula como se fosse uma torneira para cessar o fornecimento. No gás de botijão não, você tem um cilindro e se houver algum acidente, enquanto não for fechado e retirado do local continuará oferecendo risco de explosão”, explica Rui.

Outro ponto positivo do gás natural é que ele possui uma chama melhor e mais constante, por conta de seu abastecimento contínuo. Esse fator, aliás, garante, ainda que os estabelecimentos não precisem se preocupar com eventuais problemas na compra de botijões, que dependem de logística e transporte para a sua entrega, como acontece com o GLP.

Quem pretende utilizar o gás natural em sua empresa ou indústria precisa estar atento a alguns pontos: é necessário possuir equipamentos de utilização de gás, estar a até 400 metros da rede de gás natural, observar questões técnicas de segurança, como posição do abrigo do medidor e, também, firmar contrato com a MSGÁS.

 



Fonte: Redação TN Petróleo/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar