acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia internacional

EDF será obrigada a vender parte de sua produção para concorrentes franceses

23/06/2010 | 09h35

A Electricite de France, maior geradora de energia da França, apenas cobrirá seus custos com a energia que será obrigada a vender a seus rivais pelos termos de uma proposta de lei, se o preço for fixado a € 42 (US$ 52), disse ontem o executivo-chefe, Henri Proglio.

Os custos de produção da EDF oscilam entre € 42 e € 45 o megawatt/hora (MW/h) quando são incluídos os gastos com manutenção, operações e extensão da vida útil dos reatores atuais, disse Proglio, numa conferência sobre energia em Paris. O preço não inclui o que a EDF teria de gastar para construir novos reatores para substituir os mais antigos, disse o executivo.

Vender energia aos rivais a € 42 euros o MW/h "praticamente não oferece nenhuma margem, mas existe uma certa aceitação disso pois ocorre num período de transição", disse Proglio, a respeito do preço, que ele chamou de "mínimo aceitável".

A legislação francesa que está sendo examinada no Senado exigiria que a EDF vendesse aproximadamente um quarto da energia gerada a partir dos seus 58 reatores nucleares para a GDF Suez e outras concorrentes na França. A lei, aprovada na Assembleia Nacional na semana passada, ocorre na esteira de sindicâncias realizadas pelos órgãos reguladores da União Europeia para apurar o domínio da EDF no mercado francês.

Pela lei atual, uma tarifa de energia por atacado para a indústria francesa está fixada em € 42 o MW/h e a legislação em debate diz que o preço estará "alinhado" com aquela tarifa. O preço será determinado pelo governo depois que a lei for aprovada.

Proglio taxou de "totalmente absurda, completamente falsa e estúpida" a noção de que um preço por atacado nesse nível possibilitará à EDF gerar bilhões de euros em lucros adicionais. "Eu estou lhes dando acesso à minha produção a um custo que já não é ruim", ele disse, a respeito das queixas dos rivais, incluindo a GDF Suez, de que eles não podem concorrer em todos os mercados franceses com esse preço de atacado. "É o beabá da indústria que é preciso levar o investimento em conta", disse.

O preço por atacado deve refletir custos estimados em aproximadamente € 600 milhões para prolongar a vida útil de cada reator francês existente, disse Proglio.

Pelos termos da lei proposta, a EDF venderá um volume de até 100 Terawatt/h ao ano a concorrentes que terão permissão para revender a energia apenas aos consumidores franceses.
 

 

Por  Tara Patel, Bloomberg, de Paris



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar