acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia elétrica

Consumo de energia tem queda de 2,6% em março, diz CCEE

04/04/2019 | 11h01
Consumo de energia tem queda de 2,6% em março, diz CCEE
Divulgação Divulgação

Dados de medição dos valores médios coletados entre os dias 1º e 31 de março indicam uma redução de 2,6% no consumo de energia elétrica no país, quando comparados ao mesmo período de 2018. A geração de energia teve uma queda de 2,3%. As informações são do boletim InfoMercado Semanal Dinâmico, da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, que traz dados prévios de geração e consumo de energia, além da posição contratual líquida atual dos consumidores livres e especiais.

O feriado de Carnaval ter ocorrido em março de 2019 é o principal motivo para a redução do consumo no Sistema Interligado Nacional – SIN que atingiu 63.923 MWmédios, montante de energia menor do que os 65.619 MWmédios no mesmo período do ano passado.

O Ambiente de Contratação Regulada – ACR (cativo), no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras (onde estão inseridos os consumidores residenciais, comerciais, industriais, rurais, serviços, iluminação pública e outros), apresentou queda no consumo de 3,2% em relação a março de 2018, considerando a mudança de clientes cativos para o Ambiente de Contratação Livre – ACL. Excluindo o impacto das migrações, o ACR registraria diminuição de 1,8%.

Institucional

Já no Ambiente de Contratação Livre – ACL no qual as empresas compram energia diretamente dos fornecedores (com consumidores de atividade industrial/comercial/serviços), teve decréscimo de 1,2%, em relação ao mesmo período do ano passado. Eliminando o impacto da migração de novas cargas, o ACL apresentaria queda de 4,6%, na mesma comparação. Os consumidores livres apresentaram redução de 2,7%, já os especiais aumentaram em 7,6%, influenciados por esta migração. Suprimindo tal efeito, observa-se queda de 4,5% para os livres e de 2,5% para os especiais. Os autoprodutores diminuíram seu consumo em 7,4%.

Os segmentos da indústria avaliados pela CCEE, incluindo dados de autoprodutores, varejistas, consumidores livres e especiais, que registraram maior crescimento de consumo foram: transporte (19,9%) e bebidas (18,8%) e saneamento (7,5%). A expansão desses setores está vinculada à migração dos consumidores para o mercado livre. Ao excluirmos a migração para o ACL, verificamos para os mesmos ramos: bebidas (5,7%) e transporte (2,3%). O ramo com pior desempenho foi metalurgia e produtos de metal (-10,3%).

O InfoMercado Semanal Dinâmico também apresenta estimativa da produção das usinas hidrelétricas, eólicas e térmicas. Nesta edição aponta que as eólicas tiveram uma elevação de 16,4%, sendo que as hidráulicas e térmicas apresentaram queda de 3,3% e 5,0%, respectivamente. A queda das térmicas foi devido, principalmente, às usinas termelétricas a óleo (-46,7%) e termelétricas bi-combustível (-31,5%).



Fonte: Redação/Assessoria CCEE
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar