acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Boatos sobre campo gigante puxam Petrobras

28/10/2010 | 15h19
Desde que o mercado foi surpreendido com o segundo turno, a bolsa passou a ser alvo mais frequente de especulações no campo político. Nos últimos dias, especificamente, Petrobras virou o centro das atenções, com boatos sobre pesquisas eleitorais, escalação de ministérios e, ontem, sobre o anúncio de uma megarreserva.
 

O zunzunzum ganhou até uma versão em e-mail, com remetente anônimo, é claro. As ações preferenciais (PN, sem voto) da estatal abriram para baixo, mas inverteram o rumo no meio da tarde, chegando a R$ 27,05 na máxima (+ 4,64%). Foi aí que vendedores de plantão entraram em cena e o papel voltou para R$ 26,19, ainda assim com ganho de 1,32% e giro de R$ 1,5 bilhão.
 

"Como Petrobras é um papel muito descontado, um rumor mais positivo acaba puxando um rali", diz o gestor de renda variável da Máxima Asset Management, Felipe Casotti. Na última quinta-feira, a ação PN caiu para o menor nível desde março de 2009, o que abriu espaço para um repique técnico.
 

Só que, com os rumores, essa retomada se mostrou mais forte, provocando uma corrida para cobrir posições vendidas, acrescenta o diretor de operações da SulAmérica Investimentos, Marcelo Saddi Castro. Nos últimos quatro pregões, Petrobras PN subiu 8,40%. Mas, no ano, ainda amarga perda de 27,03%.
 
 
Apesar do ganho recente, o cenário para as ações da estatal continua incerto. Assim como novos rumores podem continuar puxando os papéis, a não consumação dos fatos pode pressioná-los. Ou ainda a confirmação da expectativa, a exemplo das ações do Bradesco e da Vale, que caíram ontem.
 

As PNs do Bradesco cravaram a maior queda do Ibovespa: 4,47%, para R$ 35,25. O banco divulgou balanço forte, mas, como não trouxe surpresas, o investidor aproveitou para embolsar o ganho. Casotti, da Máxima, lembra que as ações do banco, com alta de 18,54% no ano, estão perto da máxima histórica. O Bradesco não sofreu sozinho. As PNs do Itaú Unibanco recuaram 2,03%.
 

Também a Vale acabou entrando na onda da realização no fato, com as ações PN classe A recuando 0,97%. Apesar de o balanço ter sido divulgado depois do fechamento de mercado, a expectativa do anúncio do melhor trimestre da história já estava nos preço da mineradora, continua Casotti. Mas se o mercado achar que foi surpreendido positivamente, as ações podem ter um rali.
 

Vale lembrar que ontem não foi um bom dia para os mercados globais, por conta de rumores sobre uma política menos agressiva de injeção de liquidez nos EUA, diz Castro, da SulAmérica. Por aqui, o Ibovespa caiu apenas 0,24%, para 70.568 pontos, por conta de Petrobras. 


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar