acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Meio Ambiente

Quase US$ 1 trilhão será desperdiçado com a construção de projetos de termelétricas a carvão no mundo

30/03/2016 | 16h07

Sierra Club, Greenpeace e CoalSwarm lançaram ontem, a segunda edição anual do relatório Boom and Bust 2016: Tracking the Global Coal Plant Pipeline, que examina o conjunto mundial de projetos de termelétricas a carvão. Novas investigações que são detalhadas no relatório revelam que as termelétricas a carvão estão cada vez mais ociosas nos quatro maiores mercados do mundo e que o consumo global de carvão está em profundo declínio. Apesar disto, a indústria do carvão continua a pressionar pela construção de mais termelétricas. Isto é particularmente evidente na China, onde o governo recentemente deu um primeiro passo para reduzir o investimento galopante em plantas de carvão após o consumo de carvão no país ter baixado 6,4% em dois anos.

O mapeamento detalhado e sem precedentes dos projetos mundiais de novas usinas a carvão indica que a suspensão de novas licenças em metade das províncias da China poderia afetar 60% das 460 novas unidades autorizadas ou em processo de licenciamento.

Com o uso do carvão em declínio em todo o mundo, a estimativa de US$ 981 bilhões necessários para construir os projetos existentes é um investimento maciço em ativos potencialmente encalhados - que deve resultar em uma ainda maior espiral descendente para a indústria mundial de carvão. O número de projetos propostos é 1,5 vezes maior que a quantidade que a Agência Internacional de Energia (IEA) estima necessária para acabar com a pobreza energética das 1,2 bilhões de pessoas que atualmente vivem sem acesso a energia confiável. O relatório constata que a capacidade adicional de geração por carvão resultaria em mais de 130.000 mortes prematuras em todo o mundo a cada ano devido à poluição do ar. Constata também que as termelétricas a carvão atualmente existentes são responsáveis por quase um milhão de mortes anuais prematuras.

“A era do Big Coal está claramente chegando ao fim e passamos da hora de avançar para além de tecnologias de energia perigosas, ultrapassadas e poluentes, e caminharmos em direção a uma economia alimentada por fontes limpas e renováveis de energia, como solar e eólica”, disse Nicole Ghio, ativista sênior da campanha internacional de clima e energia do Sierra Club. “O uso de carvão continua caminhando em direção ao abismo e muitas usinas estão já paradas, enquanto ainda mais dinheiro está sendo desperdiçado em tentativas mal orientadas de amarrar-nos a este combustível sujo e perigoso. As centenas de bilhões que estão sendo jogados em carvão poderiam, em vez disto, ir para o crescente setor de energia limpa, ajudando mais de um bilhão de pessoas a terem acesso à eletricidade limpa e confiável que os combustíveis fósseis não conseguem entregar”.

“Embora esta pesquisa revele que centenas de bilhões que estão sendo desperdiçados em usinas de carvão desnecessárias, há mais em jogo do que dinheiro”, disse Ted Nace, diretor de CoalSwarm. “Em termos de segurança do clima, o tempo está passando para a transição para a energia limpa. Não há tempo a perder”.

“Enquanto as usinas movidas a carvão estão rapidamente se tornando não competitivas e crescem as preocupações sobre seus impactos maciços à saúde, a indústria do carvão está fazendo um esforço de última hora”, disse Lauri Myllyvirta, ativista global para carvão e poluição do ar do Greenpeace. “Sozinha, a China está hospedando a maior bolha de investimento do mercado de energia elétrica que o mundo já viu. Mesmo depois de anunciar a suspensão de novas licenças em 13 províncias, o país pode ainda adicionar à rede mais de 500 novas termelétricas a carvão, ao mesmo tempo em que geração de energia a partir do carvão está caindo vertiginosamente devido ao crescimento da energia limpa e a um baixo crescimento da demanda”.

Sobre o Sierra Club

O Sierra Club é a maior e mais influente organização ambiental de base dos Estados Unidos, com mais de 2,4 milhões de membros e apoiadores. Além de ajudar as pessoas de todas as origens a explorar a natureza e a nossa herança ao ar livre, o Sierra Club trabalha para promover a energia limpa, salvaguardar a saúde das nossas comunidades, proteger a vida selvagem e preservar o restante dos nossos lugares selvagens através de ativismo de base, da educação pública, lobby e ação legal. Para mais informações, visite www.sierraclub.org.

Sobre CoalSwarm

A CoalSwarm é uma rede de pesquisadores que procura desenvolver recursos informacionais colaborativos sobre os impactos de carvão e suas alternativas. Os projetos atuais incluem a identificação e mapeamento de projetos propostos de carvão em todo o mundo, incluindo usinas, minas e infraestrutura. Para mais informações, visite www.coalswarm.org.

Sobre Greenpeace

O Greenpeace é uma organização de campanhas global e independente, que atua para mudar atitudes e comportamentos, para proteger e conservar o meio ambiente e promover a paz. O Greenpeace está presente em mais de 40 países em toda a Europa, Américas, Ásia, África e Pacífico. Para mais informações, visite www.greenpeace.org.

 

 



Fonte: Assessoria/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar