acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Cotação

Produção de petróleo se recupera na Líbia

30/01/2012 | 17h30
Após a longa guerra civil, que praticamente a retirou do mercado, a Líbia já recuperou boa parte da produção de petróleo. Ela chegou a cair de 1,77 milhão de barris diários para apenas 22 mil ao longo do conflito.
 
 
No fim do ano passado já atingiu 980 mil barris, segundo informações da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) que visitou o país. Esse é um dos motivos pelos quais o clima de tensão provocado pelas retaliações da União Europeia e dos Estados Unidos ao Irã não causou comoções significativas nas cotações do petróleo.
 
 
A normalização plena da produção petrolífera líbia está prevista para 2014 e o novo governo corre contra o tempo para chegar a esse objetivo, já que seu peso no Produto Interno Bruto (PIB) é superior a 80% e sua fatia nas receitas supera 90%.

A guerra civil desorganizou toda a economia, o que fez com que uma queda do PIB de 60% tenha sido seguida por uma inflação alta de 14%. As importações caíram à metade, a conversibilidade da moeda foi posta em xeque e o Banco Central agora começa a retomar o controle da situação, após obter em dezembro o acesso a ativos líbios no exterior, de US$ 140 bilhões, ou 200% do PIB pré-guerra, que estavam embargados pelo ONU.
 

Antes de perder o poder, Muamar Gadafi arruinou as finanças do Estado, algo que a guerra contra seu povo faria de qualquer forma. A tentativa desesperada de ganhar apoio, com a elevação de subsídios e transferências e o aumento dos salários ao funcionalismo público de 60% depauperaram ainda mais as receitas, que caíram de 57% do PIB em 2010 para 39% do PIB no ano passado.
 

O resultado foi um déficit público de 42,8% do PIB, não inteiramente atribuído a Gadafi, mas também, depois, aos gastos de reconstrução e assistência humanitária a uma nação devastada.


Fonte: Redação/ Agências
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar