acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pesquisa

Poucas brasileiras investem em P&D

19/11/2013 | 14h30

 

Somente oito companhias brasileiras fazem parte do ranking das duas mil empresas globais que mais investiram em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em 2012. Para se ter uma ideia, são 93 companhias no caso da China, 56 da Coreia, 22 da Índia e 15 da Austrália, de acordo com relatório divulgado pela União Europeia (UE).
Apenas a Vale faz parte das 100 primeiras, ficando na 98ª posição. Na verdade, 28 companhias nesse grupo de 100 registraram diminuição em investimentos em pesquisa e desenvolvimento. E entre elas, apenas três tiveram queda desses investimentos e também de vendas líquidas em mais de 10% no ano passado: A Vale, a japonesa Renesas e a finlandesa Nokia.
No entanto, a mineradora brasileira está no ranking das 14, entre as 100 principais, que alcançaram melhor desempenho econômico nos últimos dez anos. Ou seja, essas companhias aumentaram simultaneamente investimentos em pesquisa e desenvolvimento e vendas líquidas em mais de 200% desde 2004 e tiveram lucros operacionais no ano passado.
O relatório da União Europeia sobre investimentos em pesquisa e desenvolvimento tem como base os projetos financiados pela própria empresa. Ele exclui iniciativas sob contratos para clientes como governos e outras empresas e em projetos de joint ventures para melhorar o conhecimento científico e desenvolver novos produtos.
Pela primeira vez desde 2004, uma companhia europeia, a montadora Volkswagen, é a maior investidora privada em pesquisa e desenvolvimento, mostra o relatório '2013 EU Industrial R&D Investment Scoreboard'. A empresa investiu € 9,5 bilhões em 2012 nesse segmento.
A segunda foi a Samsung Electronics, da Coreia do Sul, com investimento de € 8,3 bilhões. Outras companhias no "top 10" são as americanas Microsoft, Intel, Merck, Johnson & Johnson e Pfizer, alem das suíças Roche e Novartis e a japonesa Toyota.
As companhias europeias, porém, continuam atrás nos investimentos em pesquisa e desenvolvimento comparado a empresas dos EUA. Os investimentos das europeias cresceu 6,2% no período, comparado a 8,2% no caso das americanas.
A maioria das "top 100" que mais investiram em P&D são do setor automotivo, seguidas do setor de tecnologia da informação, globalmente.
Segundo o relatório, a colocação da Vale em 98ª posição em 2012 deve-se a investimentos de € 1,120 bilhão. A queda foi de 11,7% em um ano, mas teve alta de 9,4% em três anos.
A Petrobras aparece em 118ª posição, com investimentos de € 936,4 milhoes, numa queda de 9,2% em um ano, mas alta acumulada de 26,7% em três anos.
A Embraer fica em 391ª posição globalmente, com investimento de € 217,2 milhões, numa alta de 38,7% em um ano e acumulado de 30,7% em três anos.
A Totvs, empresa de software, vem depois na 992ª posição com investimento de € 64,7 milhoes. A CPFL Energia fica em 1030º lugar com € 61,2 milhoes. A WEG ocupa o ranking 1.118, com € 53,8 milhoes de investimentos em P&D. A Braskem fica em 1391ª posição, com € 39,4 milhoes. A última brasileira é a Itautec em 1.8341ª posição com € 25,7 milhoes.

Somente oito companhias brasileiras fazem parte do ranking das duas mil empresas globais que mais investiram em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em 2012. Para se ter uma ideia, são 93 companhias no caso da China, 56 da Coreia, 22 da Índia e 15 da Austrália, de acordo com relatório divulgado pela União Europeia (UE).

Apenas a Vale faz parte das 100 primeiras, ficando na 98ª posição. Na verdade, 28 companhias nesse grupo de 100 registraram diminuição em investimentos em pesquisa e desenvolvimento. E entre elas, apenas três tiveram queda desses investimentos e também de vendas líquidas em mais de 10% no ano passado: A Vale, a japonesa Renesas e a finlandesa Nokia.

No entanto, a mineradora brasileira está no ranking das 14, entre as 100 principais, que alcançaram melhor desempenho econômico nos últimos dez anos. Ou seja, essas companhias aumentaram simultaneamente investimentos em pesquisa e desenvolvimento e vendas líquidas em mais de 200% desde 2004 e tiveram lucros operacionais no ano passado.

O relatório da União Europeia sobre investimentos em pesquisa e desenvolvimento tem como base os projetos financiados pela própria empresa. Ele exclui iniciativas sob contratos para clientes como governos e outras empresas e em projetos de joint ventures para melhorar o conhecimento científico e desenvolver novos produtos.

Pela primeira vez desde 2004, uma companhia europeia, a montadora Volkswagen, é a maior investidora privada em pesquisa e desenvolvimento, mostra o relatório '2013 EU Industrial R&D Investment Scoreboard'. A empresa investiu € 9,5 bilhões em 2012 nesse segmento.

A segunda foi a Samsung Electronics, da Coreia do Sul, com investimento de € 8,3 bilhões. Outras companhias no "top 10" são as americanas Microsoft, Intel, Merck, Johnson & Johnson e Pfizer, alem das suíças Roche e Novartis e a japonesa Toyota.

As companhias europeias, porém, continuam atrás nos investimentos em pesquisa e desenvolvimento comparado a empresas dos EUA. Os investimentos das europeias cresceu 6,2% no período, comparado a 8,2% no caso das americanas.

A maioria das "top 100" que mais investiram em P&D são do setor automotivo, seguidas do setor de tecnologia da informação, globalmente.

Segundo o relatório, a colocação da Vale em 98ª posição em 2012 deve-se a investimentos de € 1,120 bilhão. A queda foi de 11,7% em um ano, mas teve alta de 9,4% em três anos.

A Petrobras aparece em 118ª posição, com investimentos de € 936,4 milhoes, numa queda de 9,2% em um ano, mas alta acumulada de 26,7% em três anos.

A Embraer fica em 391ª posição globalmente, com investimento de € 217,2 milhões, numa alta de 38,7% em um ano e acumulado de 30,7% em três anos.

A Totvs, empresa de software, vem depois na 992ª posição com investimento de € 64,7 milhoes. A CPFL Energia fica em 1030º lugar com € 61,2 milhoes. A WEG ocupa o ranking 1.118, com € 53,8 milhoes de investimentos em P&D. A Braskem fica em 1391ª posição, com € 39,4 milhoes. A última brasileira é a Itautec em 1.8341ª posição com € 25,7 milhoes.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar