acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Logística

Porto do Açu já recebeu R$ 10 bilhões em investimentos

24/03/2016 | 17h17

A Prumo Logística divulgou hoje o resultado de 2015, com o investimento de R$ 1,3 bilhão no Porto do Açu. Somando o investimento realizado desde 2007, já foram aplicados R$ 10 bilhões no empreendimento. Deste montante, R$ 6,3 bilhões foram investidos pela Porto do Açu Operações (subsidiária da Prumo Logística), e R$ 3,7 bilhões pela Ferroport (joint venture formada pela Prumo e a Anglo American) e pela Anglo American. Os valores não contabilizam os juros capitalizados.

“O ano de 2015 estará marcado na história do Porto do Açu como o ano em que consolidamos os alicerces para o desenvolvimento sustentável do porto. Durante este período, obtivemos importantes conquistas, que tornaram viáveis diversas unidades de negócios do nosso plano estratégico. No lado comercial, novos contratos âncoras foram fechados com grandes clientes nacionais e internacionais, tanto para a utilização dos nossos terminais como para aluguel de área para instalação de unidades industriais. A nossa estrutura de capital melhorou significativamente com o alongamento da dívida existente, com novos financiamentos de longo prazo e venda de participação para um novo parceiro no Terminal de Petróleo. Por fim, a nossa infraestrutura ficou pronta para atender com excelência os clientes atuais e atrair novos clientes e parceiros”, disse Eugenio Figueiredo, diretor financeiro da Prumo.

Os novos contratos e investimentos foram realizados mesmo diante de uma forte retração econômica nacional. Esta confiança dos investidores e clientes reforça a consolidação do Porto do Açu como um dos principais empreendimentos portuários do país.

Resultado

Em 2015, foram investidos R$ 1,3 bilhão no Porto do Açu. Deste total, R$ 900 milhões (não incluindo juros capitalizados) foram aplicados, principalmente, nas obras do Terminal de Petróleo (T-OIL), Terminal Multicargas (T-MULT), no desenvolvimento do Terminal 2 (T2), e na infraestrutura geral do empreendimento.

O montante restante foi aplicado no desenvolvimento do Terminal 1 (T1), com a construção do quebra-mar, o aprofundamento da dragagem para 20,5 metros de profundidade e projetos de melhoria de planta e eficiência operacional da planta do terminal de minério de ferro.

No ano, a Prumo apresentou receita líquida de R$ 101,6 milhões. O incremento verificado em relação a 2014, quando a receita líquida foi de R$ 71,9 milhões, refere-se principalmente aos novos contratos assinados ao longo do ano.

As despesas administrativas foram de R$ 140,8 milhões, cerca de R$ 25,7 milhões acima do ano anterior. Os principais aumentos em relação ao ano de 2014 referem-se ao aumento de pessoal para fazer frente ao início das atividades dos terminais e nas linhas de Serviços de Terceiros referente a contratação de consultorias para as operações financeiras e societárias ocorridas ao longo de 2015.

A partir de dezembro de 2015, a Prumo alterou a classificação contábil da empresa Ferroport, que anteriormente era contabilizada como uma operação em conjunto (Joint Operation) para empreendimento controlado em conjunto (Joint Venture). Com esta alteração contábil, o resultado da Ferroport deixou de ser consolidado proporcionalmente e passou a ser reconhecido por equivalência patrimonial.

Com esta nova contabilização, o EBITDA consolidado da Prumo ficou em R$ 14,5 milhões negativos. Se levarmos em consideração a regra contábil aplicada anteriormente, o EBITDA consolidado alcançou o montante de R$ 148,2 milhões. Este valor está principalmente relacionado a contribuição da Ferroport relativa à sua operação de serviços portuários para o carregamento de minério de ferro da Anglo American referente ao contrato de Take or Pay existente. No último trimestre de 2015, o EBITDA alcançou R$ 12,2 milhões impactado principalmente por despesas administrativas extraordinárias não recorrentes incorridas no último trimestre.

Já o resultado financeiro foi impactado pelo início das operações, uma vez que parte das despesas financeiras deixaram de ser capitalizadas e passaram a transitar pelas demonstrações de resultado. Além disso, a emissão de um título de dívida no exterior no montante de U$ 200 milhões e o pagamento de comissões financeiras relacionadas a conclusão da negociação do alongamento da dívida de curto prazo, contribuíram para o aumento das despesas financeiras. Com isto, o resultado financeiro líquido consolidado em 2015 foi negativo em R$ 254,6 milhões.

As despesas financeiras foram de R$ 431,9 milhões, compostas principalmente de juros, corretagens e variação monetária. As receitas financeiras foram de R$ 177,3 milhões, compostas principalmente de juros sobre mútuo, rendimentos sobre aplicações financeiras e juros. O prejuízo líquido em 2015 foi de R$ 216,9 milhões.

Destaques 2015

Um dos destaques do ano foi o início da operação do Terminal Multicargas (T-MULT), em setembro de 2015. No total, foram realizados 3 carregamentos de bauxita, que totalizaram 114 mil toneladas. A movimentação foi referente ao contrato assinado no início do ano entre a Prumo e a Votorantim Metais, que prevê a movimentação de cerca de 300 mil toneladas por ano de bauxita e coque. A previsão é que o T-MULT movimente outros produtos como coque, carvão, clinquer, fertilizantes, rochas ornamentais, contêineres, além de bauxita.

Outro destaque foi a venda de 20% do Terminal de Petróleo para a alemã Oiltanking. Realizada em novembro, a transação foi de US$ 200 milhões, precificando somente este terminal em US$ 1 bilhão. O terminal, que também será operado pela empresa alemã, começa a operar em maio deste ano com o transbordo de petróleo para a BG (adquirida recentemente pela Shell). O contrato com a petroleira foi assinado em junho de 2015, e prevê a realização de serviços de transbordo de petróleo no Terminal de Petróleo (T-OIL). A operação prevê a movimentação de 200 mil barris por dia. O terminal, que conta com 20,5 metros de profundidade – com expansão para até 25 metros – tem capacidade já licenciada para movimentar 1,2 milhão de barris por dia.

Além disso, no final de 2015, o Porto do Açu iniciou um novo negócio com o recebimento da sonda de perfuração semissubmersível de águas profundas ODN Tay IV, que pertence a Odebrecht Óleo e Gás (OOG). A atracação no T2 possibilitará a realização dos serviços de manutenção e de apoio de rotina. O terminal tem profundidade suficiente para a atracação de sondas de perfuração sem a remoção dos thrusters, permitindo uma atracação segura, eficiente e econômica. A ODN Tay IV possui sistema de “Posicionamento Dinâmico” (DP - Dynamic Positioning), o que permite que ela atue a até 2.400 metros de profundidade. A sonda estava apoiando a campanha exploratória da Petrobras em Marlim Leste, na Bacia de Campos.

Ainda em 2015, a Edison Chouest antecipou a opção de expansão de sua área no Porto do Açu. Com 597 mil m², 1.030 km de cais e 16 berços para atracação, a unidade será a maior base de apoio offshore do mundo. A base começa a operar em abril deste ano.

Durante o ano, a Prumo assinou acordo para a gestão da área da OSX Construção Naval no Porto do Açu. A empresa será a responsável por gerir comercialmente a área – atraindo clientes e gerando caixa para o pagamento dos credores. Ainda em 2015, foi assinado contrato com a InterRio para a instalação de um hotel no Complexo Industrial do Porto do Açu.

Além dos destaques comerciais, o Porto do Açu também está se consolidando como um dos mais eficientes e seguros complexos porto-indústria do país. Um exemplo é a licença de operação para o Serviço de Tráfego de Embarcações (Vessel Traffic Service - VTS), concedida para o Porto do Açu pela Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha do Brasil no final do ano. O VTS realiza o monitoramento do tráfego marítimo, ampliando a segurança e eficiência na movimentação de embarcações. Atualmente, o Açu é o único porto do país a contar com este serviço, o que credencia o empreendimento no mais alto nível de controle de informações e auxílio à navegação, seguindo padrões internacionais. Além disso, recentemente, o Porto do Açu foi incluído no VTS Guide, referência mundial sobre os sistemas de controle de tráfego marítimo.

Em 2015, o Porto do Açu recebeu mais de 200 embarcações e realizou mais de 60 operações de minério de ferro.

Na contramão do cenário atual, a Prumo iniciou o ano de 2016 com grandes perspectivas. O início das atividades do Terminal de Petróleo (T-OIL), da unidade da BP-Prumo (joint venture entre a Prumo e a BP para a comercialização de combustível marítimo) e da base de apoio offshore da Edison Chouest, posicionará o Porto do Açu no cenário mundial de cargas e será um polo de novos investimentos industriais.



Fonte: Assessoria Prumo Logística/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar