acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Opep

Petróleo mantém tom positivo, ainda impulsionado por acordo da Opep

02/12/2016 | 08h17

Os futuros de petróleo ampliam os robustos ganhos da sessão anterior nesta manhã, após exibirem um pouco de volatilidade mais cedo, ainda em reação à decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de reduzir sua produção.

Apesar do clima de ceticismo, a Opep conseguiu fechar ontem um acordo para cortar sua produção diária em 1,2 milhão de barris, a 32,5 milhões de barris. Em reação à iniciativa do cartel, a primeira do gênero desde 2008, as cotações do petróleo saltaram mais de 9% nos negócios da última sessão.

A redução, equivalente a cerca de 1% da produção global, vai ajudar a reduzir o excesso de oferta global que tem pressionado os preços da commodity desde meados de 2014.

O acordo envolve cortes significativos na produção da Arábia Saudita, o membro mais influente da Opep, e de outros países do cartel.

Analistas, porém, questionam se a Opep conseguirá de fato implementar o pacto, uma vez que seus integrantes tradicionalmente produzem além de suas cotas.

Pelo acordo, a Arábia Saudita será responsável pela maior redução, de 486 mil barris por dia. Já o Iraque, numa decisão de última hora, aceitou diminuir sua produção em 200 mil barris diários.

"As pessoas vão acompanhar de perto se (a Opep) será realmente capaz de cumprir suas promessas", comentou Stuart Ive, gerente de clientes da OM Financial.

O cartel deverá reavaliar a eficácia do pacto em seis meses.

Na avaliação da Bernstein Research, o acordo deverá ajudar a acelerar o reequilíbrio da oferta e da demanda nos mercados, que provavelmente mostrarão um déficit de 500 mil barris por dia no primeiro semestre do ano que vem. A empresa de pesquisas prevê ainda que esse déficit poderá ultrapassar 1 milhão de barris diários na segunda metade de 2017.

A alta nos preços, contudo, deverá ajudar a impulsionar a produção de óleo de xisto nos EUA. Os últimos dados do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano mostraram que a produção dos EUA cresceu 9 mil barris por dia na semana passada, a 8,7 milhões de barris.

Às 8h46 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para entrega em fevereiro subia 1,04% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 52,38 por barril, enquanto o WTI para janeiro avançava 0,83%, a US$ 49,85 por barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex).



Fonte: Dow Jones Newswire, 02/12/2016
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar