acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Cotação

Petróleo avança 3,11% em Nova York

30/10/2009 | 10h05
Os contratos futuros do petróleo fecharam o dia em alta acentuada, reagindo aos sinais de que o ritmo da recuperação econômica dos Estados Unidos se acelerou. O contrato futuro do óleo leve com vencimento em dezembro subiu 3,11%, para US$ 79,87 o barril em Nova York. Já o petróleo tipo Brent, negociado no mercado eletrônico ICE de Londres, avançou 2,9%, para US$ 78,04 o barril.


A commodity foi negociada entre a cotação mínima de US$ 77,03 e a máxima de US$ 80,46 o barril, na sessão eletrônica da quinta-feira. Durante o dia, os contratos avançaram para US$ 80 o barril, após o Departamento do Comércio informar um crescimento de 3,5% no Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos, no terceiro trimestre.


O crescimento afastou os investidores do dólar, considerando um porto seguro quando o cenário é incerto. Assim, eles voltaram para as ações, as commodities e os ativos de maior risco. "O número do PIB colocou fogo debaixo do Dow Jones e o dinheiro de investimento voltou com pressa para as commodities", disse Darin Newson, analista sênior na DTN.


Embora os preços do petróleo tenham sido impulsionados pelo PIB, informações publicadas nos últimos meses indicam que a recuperação do terceiro trimestre não se traduziu numa melhora significativa da demanda norte-americana por petróleo. Os estoques de petróleo e gasolina ficaram praticamente inalterados entre o começo e o final do trimestre, enquanto os preços se mantiveram numa faixa estreita, ao redor de US$ 70 o barril.


Ao evitar um salto inesperado na demanda, os estoques do petróleo deverão continuar em alta nos próximos meses, uma vez que as refinarias americanas cortaram a produção de gasolina, numa tentativa de reduzir o excesso de oferta. As recentes transações podem ter estabelecido um novo equilíbrio para os preços ao redor de US$ 80 o barril, enquanto o mercado espera que os estoques sejam reduzidos.


Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar