acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Estudo

Órgão dos EUA ataca subsídio ao etanol

07/10/2009 | 10h08
Em estudo divulgado na sexta-feira, o Government Accountability Office disse que o governo dos Estados Unidos deveria derrubar o incentivo fiscal que dá aos produtores norte-americanos de etanol, atualmente de US$ 0,45 por galão do combustível (ou R$ 0,18 por litro), por ser ineficaz.

A não ser que o preço do petróleo volte a disparar como no verão do ano passado no hemisfério Norte, em que o barril chegou a passar dos US$ 140 em Nova York, o incentivo não deve estimular o consumo doméstico de etanol, defende o escritório de prestação de contas do governo, um braço investigativo e apartidário subordinado ao Congresso norte-americano. O valor atual do barril é de US$ 70.

Junto da tarifa cobrada atualmente sobre o produto importado, de US$ 0,54 por galão (R$ 0,21 por litro), o incentivo é um dos principais entraves à entrada do etanol brasileiro no mercado dos EUA. A prática é considerada arcaica por quase todos os setores da indústria, mas encontra defesa ardente na poderosa bancada ruralista do Congresso, que representa os interesses dos produtores de milho, a matéria-prima do biocombustível norte-americano.

“O etanol feito domesticamente é a estrela de nossos esforços para reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis sujos e importados”, disse o senador republicano Charles Grassley (Iowa), membro mais graduado de seu partido na Comissão de Finanças do Senado e líder dos esforços pró-subsídios, ao comentar o levantamento. “Encerrar o incentivo seria falta de visão nossa.”


Fonte: Folha de S.Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar