Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Combustíveis

Gasolina sobe 1,45% na quinzena, e preço médio no País rompe barreira dos R$ 6

21/07/2021 | 09h52
Gasolina sobe 1,45% na quinzena, e preço médio no País rompe barreira dos R$ 6
Divulgação Divulgação

Maiores altas no período foram registradas no Amazonas, Amapá e Rio Grande do Norte

O preço do litro da gasolina no País subiu 1,45% na primeira quinzena de julho em comparação com junho. Com a alta, o valor médio do combustível chegou a R$ 6,001. As informações constam em levantamento exclusivo feito pela ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas.

InstitucionalObtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 14 de julho com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que Amazonas (5,57%), Amapá (4,99%) e Rio Grande do Norte (4,46%) registraram as maiores altas no período. As menores variações ocorreram no Mato Grosso do Sul (0,56%) e no Pará (0,71%).

Entre as capitais, o valor médio do combustível foi de R$ 5,937. Rio de Janeiro (R$ 6,374) e Rio Branco (R$ 6,340) foram as que apresentaram maiores preços na primeira quinzena de julho. Já os menores valores médios foram encontrados em Curitiba (R$ 5,430) e João Pessoa (R$ 5,543).

O preço médio do etanol no País na primeira quinzena de junho foi de R$ 4,344. Apenas em Mato Grosso é vantajoso abastecer os veículos com o combustível em substituição à gasolina – o método utilizado nesta análise, descontando fatores como autonomias individuais de cada veículo, é de que, para compensar completar o tanque com etanol, o valor do litro deve ser inferior a 70% do preço da gasolina.



Fonte: Redação TN Petróleo/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar