acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Goldenberg

Exploração do pré-sal é empreendimento caro

30/10/2009 | 16h07
O físico nuclear José Goldenberg afirmou hoje (30) durante o debate Pré-sal e Desenvolvimento Sustentável: Riscos e Oportunidades para os Brasileiros, que o pré-sal oferece ao Brasil a oportunidade de ser um exportador de petróleo, já que não precisa dele para o consumo interno por produzir o necessário e o suficiente para isso.


Goldenberg, que foi ministro da Educação e secretário do Meio Ambiente no governo Collor, enfatizou, entretanto, que os resultados da exploração do pré-sal devem demorar até 10 anos. Além disso, trata-se de um empreendimento muito caro, disse ele.

“O risco de sucesso quando se abre um poço no pré-sal é maior do que quando se abre um poço em terra firme ou em baixas profundidades, mas, além de a exploração ser cara, entra-se no terreno do desconhecido”, afirmou Goldenberg. Ele ressaltou que os problemas ambientais ainda não foram equacionados e lembrou esses estudos nunca haviam sido foram feitos.”

Goldenberg destacou que o petróleo do pré-sal é diferente do petróleo da Bacia de Campos, porque tem mais carbono e metano misturados e que, no momento em que se retira o material para a superfície, há aumento de carbono. “O carbono vai acabar sendo taxado e, por isso, o petróleo do pré-sal é diferente, vai ser mais caro”.

Além disso, a exploração pode causar problemas ambientais e o licenciamento nesses casos é complicado e demorado. “Cada coisa diferente que se faz, faz surgir problemas novos. Espera-se que esses problemas possam ser resolvidos, mas há incógnitas pela frente.”

Goldenberg, que também foi secretário do Meio Ambiente em São Paulo, reafirmou que a atividade em torno do pré-sal será muito intensa porque, no caso de São Paulo, por exemplo, será necessário ampliar o porto de São Sebastião, no litoral norte do estado, e as estradas que dão acesso à cidade. “É claro que o entusiamo por ter mais empregos e mais atividade econômica é muito grande, mas tem que ser moderado e com respeito à atividade ambiental”.

Além do cuidado com os impactos no meio ambiente, Goldenberg afirmou que é necessário não desviar a atenção das energias renováveis, que são para sempre. “O petróleo será exaurido e todo o mal que ele fez acaba ficando lá. Com as energias renováveis, essas coisas não acontecem. Há uma euforia exagerada com o pré-sal. Não se pode voltar as costas para o pré-sal, mas temos que ir com prudência nessa exploração”, alertou.

O deputado Antonio Palocci (PT-SP), relator do Fundo Soberano Social que será criado com os recursos obtidos com o petróleo do pré-sal, disse que qualquer governo que entre procurará dar o melhor uso possível a um fundo como esse.

“A nossa preocupação é fazê-lo crescer o máximo possível, no mais longo prazo, para evitar os efeitos negativos que pode ter um recurso de curto prazo, que são os efeitos ambientais, fiscais e cambiais”, afirmou.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar