acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Siderurgia

CSN confirma quarta-feira usina de R$ 11 bi

23/10/2009 | 09h50

O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, confirmará na quarta-feira que vem, em Belo Horizonte, a construção de uma usina siderúrgica em Minas Gerais, projeto que havia sido suspenso depois da crise financeira mundial. Os investimentos serão detalhados em audiência com o governador de Minas Gerais, Aécio Neves.

 

O secretário de estado de Desenvolvimento Econômico, Sérgio Barroso, antecipou, nesta quinta-feira, que os planos da CSN em Congonhas, na região central mineira, vão consumir R$ 11 bilhões, incluindo recursos destinados à expansão da produção de minério de ferro da empresa no município. A expectativa é de que 4 mil empregos sejam gerados. Somente na construção da planta siderúrgica serão destinados R$ 6,5 bilhões.



"O importante é que a crise está passando. O empresariado está muito animado e quer investir. Já tivemos anúncio de investimentos da Vale e da Gerdau provando que o País está no caminho certo", comentou o secretário. Segundo ele a ordem para o início das atividades deve acontecer ainda esse ano. "Vamos trabalhar para conseguir a Licença Provisória (LP). O plano diretor do município já foi feito", afirmou.



No protocolo de intenções firmado entre o governo do estado e a CSN, em 2007, estavam previstos investimentos de R$ 9,5 bilhões em projetos de expansão da empresa em Minas Gerais até o ano de 2013. Desse total, R$ 6,2 bilhões seriam aplicados em uma usina siderúrgica, a primeira da CSN no estado, com capacidade para a produção de 4,5 milhões de toneladas por ano. A planta funcionaria ao lado das pelotizadoras que a CSN pretende construir, também em Congonhas, e que demandarão aporte de R$ 840 milhões. Um bairro com 400 moradores será desapropriado para a implantação do complexo industrial. Sérgio Barroso representou Aécio Neves na inauguração da UHE Baguari, formada pelo consórcio Neoenergia (grupo privado que investe no setor elétrico, com 51% do controle), Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig, com 34%) e Furnas (15%).



capacidade. Parte da planta já opera desde 9 de setembro e custou ao consórcio R$ 516 milhões, sendo que 70% foram financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. A previsão é de que as quatro turbinas de geração de energia estejam operando a todo vapor já a partir de fevereiro de 2010. A usina que está localizada no Rio Doce, Região Leste de Minas Gerais, tem capacidade instalada de geração de 140 megawatts (MW), o suficiente para suprir uma cidade com 450 mil habitantes.



A área usada para alagamento da barragem fica num local conhecido como Cachoeira da Fumaça e abrange os municípios de Governador Valadares, Alpercata, Fernandes Tourinho, Iapu, Periquito e Sobrália. "Foi o maior desafio da minha carreira profissional e estou muito feliz com a conclusão dessa obra, que, mesmo tendo atrasos no início, foi concluída com 120 dias de antecipação", comemorou o presidente do Consórcio UHE Baguari, Marcos Lúcio Siqueira.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar