Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Consumo de combustíveis nos Estados Unidos tem retomada lenta, relata StoneX

20/07/2021 | 09h55
Consumo de combustíveis nos Estados Unidos tem retomada lenta, relata StoneX
Divulgação Divulgação

A chegada dos meses de verão no Hemisfério Norte tem levantado questionamentos sobre o comportamento da demanda por combustíveis nos Estados Unidos. Entretanto, as perspectivas para a demanda por etanol têm se mostrado pouco favoráveis, mesmo considerando que a demanda por gasolina ainda possa se elevar na chamada "driving season", período que compreende os meses de abril a setembro e que costuma contar com o maior deslocamento anual no país, impulsionando a venda de derivados de petróleo e seus respectivos aditivos.

PublicidadeSegundo estudo divulgado pela StoneX, a expectativa é que a demanda por gasolina e diesel nos EUA siga variando de acordo com as médias históricas até o fim da driving season, principalmente pelas dificuldades deixadas pela pandemia da covid-19. "Apesar da retomada gradual da demanda, os dados apresentados entre abril e junho, que variaram sempre próximos às médias históricas dos últimos dez anos, frustraram alguns agentes econômicos, que esperavam um aumento expressivo do consumo neste ano", explica o departamento de inteligência de mercado da StoneX.

Na primeira semana de julho, o consumo de gasolina rompeu, pela primeira vez no ano, a máxima histórica, chegando a um indicador total de 10,04 milhões de barris por dia. No entanto, os dados da semana seguinte voltaram a diminuir, ficando ligeiramente acima de 2019 e da média histórica. Já em relação ao diesel, o consumo praticado na primeira semana de julho se mostrou levemente mais alto que 2019 e a média, ao passo que, na segunda semana, os valores ficaram abaixo dos dois períodos datados.

"É importante destacar que outras variáveis, como a existência de novas variantes da covid-19 e seus impactos sobre a economia, podem impactar os níveis de consumo ainda no curto e médio prazo", detalha a StoneX. Citando dados do U.S. Bureau of Transportation Statistics, a consultoria aponta que a média semanal de pessoas que ficam em casa segue maior em relação a 2019, e ligeiramente abaixo do volume registrado em 2020.

Divulgação

Sob a ótica do etanol, de acordo com análise do departamento de inteligência de mercado da StoneX, o restante do verão norte-americano deve esclarecer se haverá aperto no balanço de oferta e demanda do biocombustível, uma vez que o direcionamento do milho para a destilação deve se manter menor frente a anos anteriores na safra 2021/22 (setembro a agosto). "Até o momento, os estoques de etanol permanecem abaixo da média de três anos, mas eles têm se elevado nas últimas semanas, de modo que podem se mostrar suficientes para o suprimento do consumo", detalha.

No início de julho, o Tribunal de Apelações dos EUA rejeitou a alteração realizada pela Agência de Proteção Ambiental do país (EPA) em 2019, que permitia que as vendas de gasolina ocorressem com 15% de mistura de etanol (E15) também durante o verão, algo que não era permitido até então. Esta decisão, somada ao consumo de derivados do petróleo abaixo do esperado pelo mercado, deve impactar a demanda por etanol no país. "Mesmo assim, a situação ainda permanece em aberto, visto que, historicamente, os tribunais americanos oferecem tempo para apelação", complementa a StoneX.



Fonte: Redação TN Petróleo/Assessoria Stonex
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar