acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

Aggreko expande central elétrica na África

10/09/2013 | 16h06

A Aggreko, líder mundial no fornecimento temporário de energia, resfriamento de processos e climatização, confirmou a expansão da sua central de gás no Parque Gigawatt em Ressano Garcia, Moçambique, em conjunto com seus parceiros. A ampliação  das instalações foi oficialmente inaugurada pelo Ministro da Energia de Moçambique, Salvador Namburete, durante uma cerimônia realizada no local do projeto na última semana. A expansão acrescenta mais 122 MW de capacidade às instalações de Ressano Garcia, aumentando o total de geração de energia da central para 232 MW.




A central de energia da Aggreko começou a operar em julho de 2012, naquela que foi a realização de uma iniciativa verdadeiramente inovadora de construir o primeiro projeto de Produção de Energia Independente (IPP - Independent Power Producer) temporário e transfronteiriço do mundo. A energia produzida no local foi fornecida diretamente ao Grupo de Energia do Sul de África (SAPP), tendo como primeiros clientes do projeto a Electricidade de Moçambique (EDM), a distribuidora de energia de Moçambique e a Eskom, a distribuidora da África do Sul.



Após o sucesso da primeira etapa da Ressano Garcia, a Aggreko anunciou em março de 2013 a assinatura de acordos com a EDM e a NamPower, a distribuidora elétrica da Namíbia, para o fornecimento de 122 MW a partir do projeto. Após este anúncio, iniciaram-se imediatamente os trabalhos para obter mais do dobro da capacidade da central. Uma vez que a Aggreko concebeu e construiu a infraestrutura da central de modo a permitir aumentos de capacidade modulares, o aumento da geração elétrica foi conseguido em apenas 12 semanas.



Através da utilização da  infraestrutura de transmissão regional da SAPP, a Aggreko fornecerá agora energia gerada em Moçambique a três operadoras nacionais, incluindo à Namíbia, situada a mais de 1500 quilômetros de distância. Destacando a cooperação mútua entre as operadoras para tornar esta iniciativa possível, a EDM e a Eskom desempenharão um papel-chave na transmissão desta energia à Namíbia. A EDM irá transmitir  energia por meio  da sua rede até a fronteira sul-africana, onde a Eskom, em nome da NamPower, tratará da condução da energia pela rede sul-africana até a Namíbia.



A central de Ressano Garcia da Aggreko está situada na fronteira de Moçambique com a África do Sul, no Parque Gigawatt, 90 quilômetros a nordeste de Maputo. O gás natural para o projeto é  fornecido pela Matola Gas Company SA por meio  da sua infraestrutura de gás em Ressano Garcia e a Aggreko  gera energia utilizando um contrato de subconcessão com a Gigawatt Mozambique SA.



“A Ressano Garcia é  a maior central elétrica transfronteiriça do mundo, com 232 MW de geração de energia alimentada a gás  para utilização por três operadoras nacionais”, explica David Taylor-Smith, Diretor Executivo Regional, Aggreko EMEA. “Este projeto  realça a precisão e velocidade com que a Aggreko consegue fornecer uma capacidade elétrica temporária de grande escala para ajudar os nossos clientes a terem suas demandas  no fornecimento de energia atendidas conforme e quando surgirem.”



Paulinus Shilamba, Diretor Executivo da NamPower, afirma que “Esta abordagem inovadora de assegurar um fornecimento de energia eficaz ao povo da Namíbia é um excelente exemplo do espírito de cooperação do sul de África. Este projeto único irá contribuir para o provisionamento de energia confiável em toda a Namíbia e apoiar o desenvolvimento continuado do país.”




Augusto de Sousa Fernando, CEO da EDM, acrescenta: “Após o primeiro projeto concluído pela EDM, na sua função de distribuidora e operadora nacional em Moçambique, gostaríamos de acolher uma vez mais a segunda fase da central elétrica temporária da Aggreko em Ressano Garcia, que irá ajudar a EDM e os seus parceiros no SAPP até que seja possível a implementação das nossas centrais permanentes em Moçambique.”

 



Fonte: Redação TN/ Ascom Aggreko
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar