Artigo

A construção de uma cadeia de abastecimento resiliente no setor de petróleo e gás requer uma abordagem proativa para identificar e mitigar riscos, por Alexandre Valle

Redação TN Petróleo/Assessoria
09/07/2024 18:13
A construção de uma cadeia de abastecimento resiliente no setor de petróleo e gás requer uma abordagem proativa para identificar e mitigar riscos, por Alexandre Valle Imagem: Divulgação Visualizações: 774 (0) (0) (0) (0)

Os profissionais da cadeia de suprimentos que atendem o mercado de petróleo e gás enfrentam riscos diariamente. Embora a maioria das transações ocorra sem problemas, há ocasiões em que os fornecedores não cumprem as entregas devido a fatores internos ou externos. 

Por vezes, os fornecedores encontram soluções alternativas para proteger os clientes de potenciais perturbações, mas noutros casos, a continuidade do fornecimento é interrompida, forçando a organização compradora a procurar soluções alternativas. Os riscos na cadeia de abastecimento podem perturbar o fluxo de bens e serviços, causando repercussões significativas no desempenho operacional, financeiro e no serviço ao cliente.

A continuidade do fornecimento está no cerne da aquisição eficaz e da gestão da cadeia de abastecimento. Para mitigar os riscos e trabalhar no sentido de uma cadeia de abastecimento resiliente, as principais empresas de EPCI devem avaliar continuamente as vulnerabilidades da cadeia de abastecimento e empregar ferramentas e técnicas de planeamento e fornecimento para se adaptarem rapidamente às mudanças, garantindo a continuidade dos negócios para si e para os seus clientes.

O petróleo e o gás natural são indústrias importantes no mercado de energia e desempenham um papel influente na economia global como as principais fontes de combustível do mundo. 

Os riscos da cadeia de abastecimento podem ser globais, tais como agitação política ou encerramento de fronteiras; doméstico, como desastres naturais; ou locais, como desvios de estradas ou acidentes. Os riscos operacionais enfrentados pelos fornecedores abrangem restrições de capacidade, escassez de matérias-primas e mão-de-obra, greves, flutuações cambiais e até surtos de gripe localizados. Embora estes exemplos variem no seu nível de risco, todos eles têm o potencial de afetar as entregas programadas, as operações comerciais e a satisfação do cliente em toda a cadeia de abastecimento.

Com flutuações constantes na demanda e nos preços e questões geopolíticas, em que um fornecedor global ou outro ameaça cortar o fornecimento, há surpresas e riscos diariamente.

Além disso, a definição de risco expandiu-se para incluir violações da segurança de dados da cadeia de abastecimento, abrangendo atos de terrorismo, roubo de produtos e informações, ameaças ao pessoal e sabotagem a infraestruturas críticas.

A transparência e a visibilidade em toda a cadeia de abastecimento são cruciais para identificar riscos. No entanto, à medida que os níveis de fornecedores aumentam, a visibilidade muitas vezes diminui. Por exemplo, um fornecedor local com desempenho confiável pode contar com uma fonte crítica de abastecimento localizada num país com interrupções frequentes no comércio ou transporte. Identificar todas as áreas de risco numa cadeia de abastecimento é quase impossível, e os fornecedores podem estar relutantes em partilhar informações que possam comprometer a sua relação comercial, criando uma lacuna de informação que é difícil de colmatar.

As empresas devem estar preparadas para responder a perturbações inesperadas, quer se trate de um problema de transporte de curto prazo devido a estradas geladas ou de uma interrupção de fornecimento de longo prazo causada por um desastre natural, como uma pandemia. Problemas de curto prazo podem exigir soluções simples ou paciência, mas problemas maiores e imprevistos exigem preparação cuidadosa, incluindo materiais, processos, sistemas e pessoal. As estratégias estratégicas de fornecimento devem incluir a pesquisa de riscos potenciais e o desenvolvimento de planos de mitigação para fornecedores críticos.

Uma forma de identificar e acompanhar os riscos da cadeia de abastecimento é criar um registo de riscos. Esta ferramenta é valiosa para o gerenciamento da cadeia de suprimentos e pode ser implementada usando uma planilha simples e compartilhável para facilitar a colaboração multifuncional. Ao criar um registro de riscos, é essencial identificar todos os riscos potenciais e categorizá-los como vermelhos (paradas bruscas), amarelos (questões que podem impactar os principais resultados ou compromissos do cliente) ou verdes (questões que requerem atenção, mas atualmente não têm impacto imediato).

Os profissionais de compras e gestão de suprimentos podem relembrar tempos mais simples, quando os riscos da cadeia de suprimentos eram facilmente identificados e mitigados. No entanto, na atual cadeia de abastecimento global, que opera num ambiente geopolítico e económico frágil, as oportunidades para a multiplicação dos riscos são numerosas. 
À medida que o ambiente da cadeia de suprimentos se torna cada vez mais volátil, as empresas de petróleo e gás precisarão gerir melhor os riscos associados para garantir a sua resiliência. A realização de uma avaliação de risco profissional da cadeia de abastecimento e a aplicação de mudanças de mentalidade de gestão poderiam ajudar a mitigar os riscos e garantir a sustentabilidade financeira a longo prazo.

Sobre o autor: Alexandre do Valle é PhD na área de engenharia de suprimentos com foco em projetos digitais pela Universidade Federal Fluminense. Mestrado em tecnologia de Blockchain com foco em ferramentas e processos de digitalização para a cadeia de suprimentos. Pós-graduação em Gestão de Projetos pela Universidade Federal Fluminense e MBA em Projetos de Energia e ESG pela COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Consultor sênior para a empresa 2BSUPPLY. Psicanalista e Coach Profissional com certificação pelo IGT, International Coach Federation e ICF Brasil, tendo como ênfase análise comportamental e clareza de metas nas áreas profissionais e pessoais.

Mais Lidas De Hoje
veja Também
Sergipe Oil & Gas 2024
Fábio Mitidieri discute com Petrobras novas estratégias ...
23/07/24
Sergipe Oil & Gas 2024
Será inaugurado terça-feira (23/07), o gasoduto que inte...
23/07/24
Sergipe Oil & Gas 2024
Semana do Petróleo, Gás e Energia começa em Sergipe
23/07/24
Apoio Offshore
CBO assina com Equinor para operar PSV Delta Cardinal
22/07/24
Oportunidade
Subsea7 oferece diversas vagas de emprego onshore e offs...
22/07/24
Oportunidade
ICONIC desenvolve banco de talentos exclusivamente para ...
22/07/24
Fenasucro
Brasil terá 20 novas biorrefinarias de etanol de milho n...
22/07/24
Bacia de Campos
Sonda Valaris DS-17 fará a perfuração do projeto Raia no...
22/07/24
Combustíveis
No fechamento do semestre, os combustíveis mais caros fo...
22/07/24
Estudo
Coral invasor é resistente a compostos biocidas usados e...
22/07/24
Etanol
Anidro cai 0,98% após 5 semanas em alta; hidratado fecha...
22/07/24
Petroquímica
Petrobras e Braskem concluem testes de produto químico c...
19/07/24
Terminais
Vast e Vibra fecham acordo de 20 anos para movimentação ...
19/07/24
Gasodutos
SCGÁS: Primeiro semestre de 2024 é marcado por avanços n...
19/07/24
Pessoas
Cristiane Schmidt assume presidência da MSGÁS
19/07/24
Energia Elétrica
Com 5,7 GW instalados, expansão da matriz elétrica brasi...
19/07/24
Certificação
FPSO Bacalhau é primeiro no mundo a receber a notação DN...
18/07/24
Certificação
Porto do Açu Operações recebe certificação internacional...
18/07/24
Premiação
ComBio é premiada com Selo Verde de Sustentabilidade
18/07/24
Evento
Repsol Sinopec lança primeiro desafio para buscar soluçã...
18/07/24
Rio Grande do Norte
Exploração e desenvolvimento das Bacias da Margem Equato...
18/07/24
VEJA MAIS
Newsletter TN

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.