acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa

19/12/2016 | 14h50

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (19) que as delações dos executivos da empreiteira Odebrecht não vão impactar o ajuste da economia brasileira.

“É preciso separar as coisas: uma coisa são questões políticas ou investigações contra pessoas e outra coisa são as medidas de ajuste econômico, que vão possibilitar que o país saia da crise, disse o ministro, após participar de evento da Receita Federal na Ilha Fiscal, no Rio de Janeiro.

"Independentemente de questões judiciais e que envolvam pessoas ou problemas políticos, a agenda de ajuste econômico continua seguindo normalmente, e é nisso que temos que focar, porque a economia brasileira precisa voltar a crescer, e isso é interesse da população. Não é interesse de políticos ou de outras pessoas”, afirmou, depois ser indagado se as delações podem frear a retomada econômica.

Sobre as delações premiadas, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki disse hoje que vai trabalhar durante o recesso da Corte para analisar os 77 depoimentos de executivos da empreiteira Odebrecht que chegaram nesta manhã ao tribunal. As férias dos ministros começam hoje, e os trabalhos serão retomados na primeira semana de fevereiro.

Segundo Meirelles, o fundamental é que o Congresso já está aprovando as medidas de ajuste econômico e o Executivo está implementando e lançando novas medidas.

“A PEC que limita o crescimento dos gastos públicos foi aprovada em segundo turno no Senado, por grande maioria. As medidas de aumento da produtividade do Brasil, as chamadas medidas microeconômicas, que são fruto de um trabalho técnico, é algo que já vem sendo trabalhado há alguns meses. E foi lançado depois da aprovação da PEC. A agenda continua normalmente e isto que é importante para os agentes econômicos”, disse o ministro.



Fonte: Redação/Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar