acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Setor de máquinas terá mercado de usados, diz Abimaq

31/08/2012 | 12h05

 

As novas medidas anunciadas pelo BNDES para financiar a compra de bens de capital usados (máquinas, ferramentas, tratores, aeronaves) vão incentivar a criação de um mercado paralelo, a exemplo do que ocorre com automóveis.
A previsão é da Abimaq, associação da indústria de máquinas, que está otimista com essa possibilidade.
Com a possibilidade de fazer empréstimos para comprar equipamentos usados e a taxa de 2,5% para máquinas novas, mais a permissão de abater de uma vez a depreciação das compradas neste ano, fecha-se um ciclo virtuoso, avalia José Veloso, vice-presidente da associação.
"Sem capital para bancar uma máquina nova, o pequeno empresário poderá optar pela usada. Quem vendeu a usada poderá adquirir uma nova. A nova linha incentivará os dois mercados".
Cesar Prata, dono da Asvac Bombas, que fornece máquinas para indústrias de vários setores e para navios e plataformas da Petrobras, acredita que as linhas do BNDES, associadas à redução da Selic e outras medidas macroeconômicas, vão estimular os negócios. "O setores de petróleo, mineração e siderurgia foram os que mais retardaram a aquisição de equipamentos, entre nossos clientes".
Foi após a queda de 25% nos financiamentos feitos pelo BNDES para máquinas (de janeiro a maio) que o governo decidiu agir e incentivar novos investimentos.
No caso dos caminhões, a queda de empréstimos chegou a 63%. Os juros para essa linha também foram reduzidos de 5,5% ao ano para 2,5%. A diferença será bancada pelo Tesouro, que "equaliza" as taxas -ou seja, arca com o valor que o BNDES perde com os juros menores.
Para Mauro Saltini, vice-presidente da Anfavea, a medida é favorável e deve resultar num aumento das vendas de caminhão. O corte dos juros, diz, "praticamente anula" o aumento dos veículos.
Saltini afirma que o setor já começa a esboçar uma reação, após sentir os efeitos dos preços mais altos, da crise externa e da freada da economia doméstica.

As novas medidas anunciadas pelo BNDES para financiar a compra de bens de capital usados (máquinas, ferramentas, tratores, aeronaves) vão incentivar a criação de um mercado paralelo, a exemplo do que ocorre com automóveis.


A previsão é da Abimaq, associação da indústria de máquinas, que está otimista com essa possibilidade.


Com a possibilidade de fazer empréstimos para comprar equipamentos usados e a taxa de 2,5% para máquinas novas, mais a permissão de abater de uma vez a depreciação das compradas neste ano, fecha-se um ciclo virtuoso, avalia José Veloso, vice-presidente da associação.


"Sem capital para bancar uma máquina nova, o pequeno empresário poderá optar pela usada. Quem vendeu a usada poderá adquirir uma nova. A nova linha incentivará os dois mercados".


Cesar Prata, dono da Asvac Bombas, que fornece máquinas para indústrias de vários setores e para navios e plataformas da Petrobras, acredita que as linhas do BNDES, associadas à redução da Selic e outras medidas macroeconômicas, vão estimular os negócios. "O setores de petróleo, mineração e siderurgia foram os que mais retardaram a aquisição de equipamentos, entre nossos clientes".


Foi após a queda de 25% nos financiamentos feitos pelo BNDES para máquinas (de janeiro a maio) que o governo decidiu agir e incentivar novos investimentos.


No caso dos caminhões, a queda de empréstimos chegou a 63%. Os juros para essa linha também foram reduzidos de 5,5% ao ano para 2,5%. A diferença será bancada pelo Tesouro, que "equaliza" as taxas -ou seja, arca com o valor que o BNDES perde com os juros menores.


Para Mauro Saltini, vice-presidente da Anfavea, a medida é favorável e deve resultar num aumento das vendas de caminhão. O corte dos juros, diz, "praticamente anula" o aumento dos veículos.


Saltini afirma que o setor já começa a esboçar uma reação, após sentir os efeitos dos preços mais altos, da crise externa e da freada da economia doméstica.

 



Fonte: Folha de São Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar