Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
China

Produção de refinarias na China tem recorde em outubro com demanda firme por gasolina

16/11/2020 | 17h03

O nível de processamento de petróleo em refinarias na China avançou 2,6% em outubro na comparação com mesmo mês do ano anterior, para o nível mais alto já registrado, em meio a uma demanda firme impulsionada por viagens em devido a feriados.

O país processou 59,82 milhões de toneladas de petróleo no mês passado, o equivalente a 14,09 milhões de barris por dia (bpd), segundo dados do Escritório Nacional de Estatísticas nesta segunda-feira.

Esse número se compara a 13,96 milhões de bpd em setembro e supera o recorde diário anterior, de junho, de 14,08 milhões de bpd.

O processamento total durante os 10 primeiros meses de 2020 foi de 555,18 milhões de toneladas, ou 13,29 milhões de bpd, alta de 2,9% frente ao mesmo período de 2019.

A demanda por gasolina manteve-se firme com mais motoristas pegando as estradas para longas viagens durante um período de feriados no início de outubro.

O consumo do setor doméstico de aviação retornou para níveis pré-Covid em setembro e deve se firmar mais em outubro, graças a uma rápida recuperação nas viagens de passageiros e cargas, embora a demanda por voos internacionais tenha permanecido fraca.

O aumento na produção não foi maior porque uma das principais refinarias da estatal Sinopec, a de Qilu, em Shandong, desligou uma unidade de processamento de 160 mil bpd a partir do final de setembro.

Refinarias independentes, porém, possuem incentivos para manter elevadas taxas operacionais devido à sólida margem de refino, de 200 iuanes por tonelada, disse Ding Xu, analista da consultoria Longzhong, com sede na China, que falou antes da divulgação dos números.



Fonte: Reuters, 16/11/2020
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar