acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Preços do petróleo têm maior alta diária da história após comentários de Trump

03/04/2020 | 15h07

Os preços do petróleo registraram nesta quinta-feira os maiores ganhos diários da história, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmar que espera que Rússia e Arábia Saudita anunciem um grande corte de produção, e de a imprensa estatal saudita noticiar que o reino convocou uma reunião emergencial de produtores para lidar com o atual cenário do mercado.

Trump disse que conversou com o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, e que espera que Arábia Saudita e Rússia cortem produção em até 10 milhões ou 15 milhões de barris, uma vez que ambos os países deram sinais de que estão dispostos a chegar a um acordo.

Trump não especificou se os números são representados em barris por dia (bpd), embora o mercado expresse oferta e demanda dessa forma. Um acordo desse tamanho, no entanto, necessitaria da participação de outros grandes produtores de fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

A Arábia Saudita, enquanto isso, anunciou que vai convocar uma reunião de emergência da Opep, segundo a mídia estatal do país. O Wall Street Journal, na sequência, reportou que o reino consideraria reduzir sua produção para 9 milhões de bpd, ou cerca de 3 milhões de bpd a menos do que planejava bombear em abril.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em alta de 5,20 dólares, ou 21%, a 29,94 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA avançou 5,01 dólares, ou 24,7%, a 25,32 dólares o barril.

"A questão acaba sendo se eles conseguirão concordar em algo. Foram algumas semanas de Brent a 25 dólares e WTI a 20 dólares, e parece que agora os russos estão mais propensos à abordagem do que há um mês", disse Gene McGillian, vice-presidentem de Pesquisa de Mercado da Tradition Energy em Stamford, Connecticut.

Reportagem de Scott DiSavino em Nova York, com reportagem adicional de Laila Kearney, Devika Krishna Kumar e Jessica Resnick-Ault em Nova York, Liz Hampton em Houston, Julia Payne em Londres, Shu Zhang em Cingapura e Sonali Paul em Melbourne.

Divulgação



Fonte: Reuters, 03/04/2020
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar