acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Logística

Pré-sal exigirá revolução na logística da Petrobras

05/10/2009 | 09h53
A exploração e produção de petróleo no pré-sal vão exigir uma revolução logística da Petrobras. A começar pelo fato de que os poços a serem explorados estão localizados a até 300 quilômetros da costa, o dobro da distância dos poços da Bacia de Campos. Por isso, serão necessários investimentos pesados em infraestrutura para que a operação no mar tenha a maior autonomia possível.


É no sistema de transporte de passageiros - os trabalhadores das plataformas, principalmente - que a Petrobras prepara a grande novidade logística para o pré-sal. Atualmente, apenas na Bacia de Campos, a empresa transporta 10 mil passageiros por mês (ou 20 mil, contando ida e volta). Nas regiões Sul e Sudeste, o transporte chega a quase 60 mil passageiros por mês, em média. A ampliação e construção de novas bases aeroportuárias já estão nos planos. No entanto, para o pré-sal está sendo planejado também um ponto de interconexão em pleno mar.


Para baratear o transporte, a estratégia é a criação de unidades marítimas que servirão como estações intermediárias, informa o gerente-geral de serviços de transporte e armazenagem da estatal, Ricardo Albuquerque. Será um local onde os trabalhadores chegarão por meio de uma lancha ultrarrápida para, de lá, embarcarem em helicópteros de médio porte rumo a seu destino final. Essa estrutura flutuante, com nome técnico de "gangway", é chamada pelos funcionários da estatal de "ilha artificial".


"Estamos diante de circunstâncias totalmente diferentes das conhecidas", diz Albuquerque. Como os campos são gigantes e distantes, exigem um planejamento distinto. Além do transporte dos funcionários, outra questão fundamental é a distribuição de produtos essenciais ao funcionamento dos equipamentos de perfuração e exploração de petróleo, notadamente óleo diesel e fluidos químicos.


No caso da distribuição de diesel às plataformas, a intenção é adaptar um sistema que foi criado especificamente para a Bacia de Campos. Atualmente, navios-tanque ficam ancorados em zonas próxima às plataformas, fornecendo o combustível necessário a cada unidade, explica Albuquerque.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar