acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Contribuição

Pré-sal aquece ramo hoteleiro em plataformas

04/08/2010 | 09h44
A distâncias superiores a 150 km da costa, um batalhão de cozinheiros, arrumadeiras e comissários fica confinada para oferecer serviços de hotelaria em plataformas de petróleo e barcos de apoio.

Com o pré-sal, espera-se grande crescimento desse mercado, que vai demandar mais 25 plataformas até 2020, para a Petrobras.

Fornecedora da estatal, a De Nadai vai atender por dois anos mais quatro plataformas -já atende oito- por R$ 39 milhões.

Leila Luiz, diretora da empresa, diz que o "mercado está fervendo" com o pré-sal. A companhia tem 500 empregados e vai contratar mais 220.

Na hotelaria marítima, os serviços não param: os restaurantes funcionam 24 h por dia, com sete refeições.
 
 
"Fazemos de tudo: do check in no aeroporto a cuidar da academia e da piscina", diz Leila.
 
Os salários vão de R$ 900 a R$ 3.600 para os gerentes de equipes, incluído o adicional de 60% para o trabalho a bordo.
 
A nutricionista Claudia Tetzlaff, 36, coordena um time. Diz que "o confinamento não é nada agradável, mas o salário vale a pena". "Quando bate a tristeza vemos um filme, fazemos pipoca." São 14 dias a bordo (12 h de jornada) para 14 dias de folga, para os terceirizados da Petrobras.


Fonte: Folha de S.Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar