acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Etanol

Plataforma Biofuturo pretende alavancar presença de biocombustíveis na matriz energética mundial

17/11/2016 | 15h41

Na tarde da quarta-feira (16/11), durante a Conferência do Clima (COP22) realizada no Marrocos, ministros e representantes de entidades de 20 nações – Argentina, Brasil, Canadá, China, Dinamarca, Egito, Finlândia, França, Índia, Indonésia, Itália, Marrocos, Moçambique, Países Baixos, Paraguai, Filipinas, Suécia, Estados Unidos, Reino Unido e Uruguai – se reuniram para o lançamento da “Plataforma do Biofuturo”.

A iniciativa pretende promover, de forma flexível e dinâmica, a cooperação e o diálogo entre governos, indústria, academia, organizações internacionais, instituições financeiras e outras partes interessadas em acelerar o desenvolvimento e expansão sustentáveis dos biocombustíveis avançados de baixo carbono na matriz energética global e a bioeconomia. 

Presentes no evento: o diretor geral da FAO, José Graziano; o diretor geral da IRENA, Adnan Amin; o diretor da UNIDO, Li Yong; o presidente da IEA, Paul Simons; a CEO da SE4ALL, Rachel Kyte; o CEO da WBCSD, Peter Bakker; o diretor da ABBI, Celso Fiori e a presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Elizabeth Farina, que em seu discurso exaltou a disposição do setor sucroenergético brasileiro em cooperar para o êxito do projeto. 

“Nós estamos prontos para prover demandas mundiais de biocombustíveis sustentáveis. Estamos preparados para fazer o melhor e ainda mais”, afirmou.

Também participaram da cerimônia os ministros José Sarney Filho (Meio Ambiente) e Blairo Maggi (Agricultura), além do embaixador José Antonio Marcondes, subsecretário-geral de Meio Ambiente, Energia, Ciência e Tecnologia. 

A Plataforma, proposta pelo governo brasileiro a paises dos cinco continentes, é estratégica para o cumprimento das metas estabelecidas no Acordo de Paris. No caso do Brasil, o plano para os próximos 14 anos prevê o corte de 43% das emissões domésticas de GEEs. Para 2030, a intenção é alcançar o índice de 18% de biocombustíveis sustentáveis (etanol e biodiesel) na matriz energética e o aumentar de 10% para 23% no uso de energias renováveis (solar, eólica e biomassa) na matriz elétrica. 

Os objetivos principais da Plataforma do Biofuturo são: 

• Promover a colaboração internacional e o diálogo entre decisores políticos, indústria, academia e outras partes interessadas; 

• Facilitar um ambiente propício para investimentos avançados de baixo carbono e investimentos relacionados à bioeconomia; 

• Aumentar a conscientização e compartilhar a análise sobre o status, o potencial e as vantagens atuais dos combustíveis de baixo carbono e outros desenvolvimentos avançados de bioeconomia; 

• Promoção de estudos e análises de ações, práticas políticas e informações sobre atividades e necessidades de pesquisa e desenvolvimento; 

• Discutir como efetivamente avaliar, compartilhar e promover práticas sustentáveis para a produção de biomassa e todo o ciclo de vida da cadeia de valor.

 



Fonte: Redação/Assessoria Unica
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar