acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços

Petróleo se aproxima dos US$ 55 em NY com cortes de exportação da Arábia Saudita

31/01/2019 | 12h01

A redução nas exportações de petróleo da Arábia Saudita está tendo um impacto maior nos dados semanais de estoques dos EUA. As estatísticas mais recentes da Administração de Informações sobre Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês) mostram uma queda de mais de 1 milhão de barris na semana passada com os menores carregamentos de petróleo do reino para os Estados Unidos em quase uma década.

Os preços do petróleo, que já estão em alta devido às sanções impostas à estatal petrolífera da Venezuela (PDVSA) pelo governo Trump, subiram mais de 2% pelo segundo dia consecutivo, com o petróleo West Texas Intermediate, particularmente, atingindo as maiores altas em 10 semanas, negociado a US$ 54,92 por barril. A última vez que WTI atingiu os níveis foi no dia 20 de novembro.

No fim da tarde, O WTI diminuiu reduziu o ritmo de ganhos e passava a subir US$ 0,96, ou 1,82%, a US$ 54,28. O Brent, negociado em Londres e referência global do petróleo, também arrefeceu a alta e ganhava US$ 0,37, ou 0,64%, para US$ 61,59. O pico da sessão foi de US$ 62,50.

A elevação do petróleo influenciou na valorização dos papéis da Petrobras no Ibovespa nesta quarta-feira. PETR3 era negociada a R$ 29,51, alta de 1,62, enquanto PETR4 ganhava 1,14% a 25,66.

Os preços brutos como um todo aumentaram à medida que as refinarias norte-americanas procuravam fontes domésticas de petróleo carregado de enxofre, também conhecido como petróleo bruto, que é necessário para produzir diesel e outros combustíveis de transporte. Petróleo pesado normalmente vem de fontes como Venezuela, México, Canadá, Arábia Saudita e outros lugares do Oriente Médio. A escassez desses óleos mais pesados fez com que eles conseguissem prêmios de mais de US$ 7 por barril contra variantes mais leves, como a WTI, na semana passada.

Os dados do EIA mostram que "a queda vertiginosa das importações, tanto dos sauditas quanto do restante do Oriente Médio, ajudou a evitar outra grande construção dos estoques de petróleo", disse Matthew Smith, da Clipperdata, controladora de cargas baseada em Nova York.

"Um mergulho na atividade de refino, uma tendência sazonal à medida que mergulhamos na manutenção sazonal, também produziu a primeira queda semanal em cinco para os estoques de gasolina", acrescentou.

A EIA informou que os estoques brutos dos EUA aumentaram em 919.000 barris na semana encerrada em 25 de janeiro, contra as expectativas dos analistas de um aumento de 3,2 milhões. Na semana anterior, até o dia 18 de janeiro, os estoques brutos aumentaram em 8 milhões de barris.

Os dados do EIA mostraram que a menor elevação da semana passada estava diretamente relacionada a uma queda de 1,1 milhão de barris nas importações. Um gráfico da Bloomberg sobre as importações semanais de petróleo dos EUA mostrou a última entrada da Arábia Saudita em 442.000 barris, a menor desde 2010.

O EIA também informou que os estoques de gasolina caíram 2,2 milhões contra previsões para um ganho de 1,9 milhão de barris. Os estoques de gasolina saltaram 4 milhões na semana anterior para atingir um recorde de quase 260 milhões de barris. A queda da semana passada, a primeira em nove semanas, ocorreu com a queda de 586 mil barris de refinarias, para cerca de 90% de sua capacidade, em comparação com as taxas de operação típicas de 96% e acima.

Os estoques de destilados, que produzem diesel e outros combustíveis comerciais, diminuíram em 1,1 milhão de barris, caindo pela segunda semana consecutiva após o aperto do petróleo mais ácido. Os analistas esperavam que os destilados mostrassem um declínio de 1,4 milhão de barris. Na semana anterior, os destilados caíram 620.000 barris.



Fonte: Investing.com. 31/01/2019
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar