acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços

Petróleo opera em alta, recuperando-se após duas quedas seguidas

19/10/2018 | 09h35

Os contratos futuros de petróleo operam em alta, recuperando-se após dois dias seguidos de baixa. Os investidores continuam a monitorar sobretudo sinais para a oferta e a demanda, mas as tensões diplomáticas com a Arábia Saudita seguem no radar.

Às 7h50 (de Brasília), o petróleo WTI para dezembro subia 0,68%, a US$ 69,18 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para dezembro avançava 0,98%, a US$ 80,07 o barril, na ICE.

Na avaliação do Commerzbank, o mercado não vinha considerando adequadamente os riscos para a oferta da commodity. Segundo o banco alemão, os preços devem subir nas próximas semanas, diante de ameaças como as sanções dos Estados Unidos ao setor no Irã, que entram em vigor no início de novembro. Além disso, há problemas na produção da Venezuela e em outras nações.

Nos últimos dois dias, a forte alta nos estoques dos Estados Unidos revelada na quarta-feira pesou sobre os preços, em um quadro de mais dúvidas sobre a demanda, diante do risco de desaceleração econômica global. Analista do Julius Baer, Carsten Menke afirma que o sinal de grandes estoques provocou realização de lucros entre operadores especulativos, como fundos de hedge.

Às 14h, há expectativa pelo relatório semanal de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos, elaborado pela Baker Hughes.

O episódio do desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi, um dissidente do regime saudita visto pela última vez ao entrar no consulado da Arábia Saudita na Turquia, é monitorado por investidores. Analistas em geral, porém, mostram-se céticos sobre o risco de isso provocar de fato alguma mudança na política de Riad para o petróleo, mesmo que ocorra uma deterioração na relação bilateral com os EUA. Apesar de declarações em parte críticas do presidente americano, Donald Trump, sobre o episódio, o próprio líder não dá sinais de que possa haver uma ruptura com o aliado.



Fonte: Dow Jones Newswires, 19/10/2018
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar