acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energias Alternativas

Mercado em expansão para o setor sucroalcooleiro

17/08/2010 | 10h25
“Estamos entrando na era das energias de baixo carbono”. A afirmação é do presidente da União da Indústria da Cana de Açúcar, Marcos Jank, enfocando o panorama das possibilidades que se abrem para a cultura e industrialização de cana de açúcar. Jank foi o primeiro palestrante do Congresso de Tecnologia na Cadeia Produtiva da Cana-de-Açúcar em MS (Canasul), evento realizado pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) que acontece nesta segunda e terça-feira, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, em Campo Grande (MS).


A referência ao carbono tem o apelo da sustentabilidade, uma vez que o etanol tem se mostrado uma das bandeiras nacionais mais significativas quando o assunto é preservação ambiental. Segundo Jank, desde março de 2009 o consumo de etanol superou o de gasolina no País. “Tenho a satisfação de dizer lá fora que no Brasil o combustível alternativo é o fóssil, pois o consumo maior é de biocombustível”, apontou. Um dos argumentos mais convincentes na defesa do etanol no âmbito internacional é justamente o ecológico, uma vez que o álcool de cana reduz em 61% as emissões de carbono em relação à gasolina, quando o álcool de milho atinge uma redução de 21%. “Essa comprovação é o passaporte (do etanol) para o mundo, mas o visto ainda são as tarifas, que dificultam e entrada do álcool produzido no Brasil no mercado externo”, pontuou.

Neste sentido, a mudança no comportamento do consumidor brasileiro pode servir de incentivo, uma vez que a exigência por carros flex obrigou fabricantes de veículos a se adaptarem ao mercado nacional. Por enquanto esta é uma característica interna, porque “flex lá fora é jabuticaba”, comparou, referindo-se à fruta que é essencialmente brasileira.


Jank traduziu na palestra o momento vivido pelo setor no Estado ao iniciar sua fala dizendo que o crescimento do setor sucroalcooleiro em Mato Grosso do Sul, que chega a 60% nas últimas safras, dá o ânimo que o setor não encontra em Brasília. Entre os fatores de otimismo está a produtividade nacional, que pulou de três mil litros na década de 1980, quando o Governo Federal implantou o Proálcool, para oito mil litros por hectare. “E temos tecnologia para chegar a 14 mil litros por hectare nos próximos anos”, destacou.


A bioenergia, produzida com palha e bagaço de cana, é uma das perspectivas mais promissoras que se desenham para o segmento sucroalcooleiro. A fabricação do chamado plástico de baixo carbono, um produto a base de etanol que concentra de 30% a 40% do elemento, é outra possibilidade. Segundo Jank, a Coca-Cola já fabrica no Brasil de modo experimental garrafas pet com o material, que futuramente poderá ter características biodegradáveis.


Abertura – O crescimento do setor sucroalcooleiro deu o tom dos discursos na abertura do Canasul. O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Eduardo Riedel, conceituou o setor como “consolidado e em franca expansão” no Estado. Mato Grosso do Sul conta atualmente com 21 usinas, sendo que três estão em fase de implantação. O processamento de cana vai chegar a 38 milhões de toneladas na safra 2010, alimentando um setor que gera cerca de 30 mil postos de trabalho. O presidente da Associação dos Produtores de Bioenergia do MS (Biosul), Roberto Hollanda, e a secretária de Produção e Turismo (Seprotur), Tereza Cristina da Costa Dias, também destacaram na abertura do evento a prosperidade do segmento, enfatizando que desde o primeiro Canasul , há quatro anos, o setor se consolidou como um dos mais importantes do agronegócio no Estado.

Na programação da tarde, o diretor de Negócios de Biopolímeros da gigante de plásticos Braskem, Marcelo Nunes, mostra as novas utilizações do etanol. Em seguida, o pesquisador do Núcleo Intedisciplinar de Planejamento Energético da Unicamp, Isaias Macedo, fala sobre “Etanol, bioeletricidade e mudanças climáticas”.


Ainda haverá palestras com o coordenador da Secretaria de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Cid Jorge Caldas, sobre o papel do governo federal no desenvolvimento do setor sucroalcooleiro. Werner Semmelroth, da indústria; Ismael Pereira Junior, da Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul (Orplana); e Carlos Silvestrin, da Associação da Indústria de Co-geração de Energia (Cogen), fecham a lista de palestrantes do evento.


O objetivo do Canasul, realizado pelo quarto ano consecutivo em MS, é integrar segmentos fundamentais do setor sucroalcooleiro (produtores, empresários, técnicos, acadêmicos e fornecedores) e oportunizar geração de negócios, apresentando novas tecnologias, avanços dos sistemas industriais e discutindo temas de grande relevância neste segmento como mercado, meio ambiente e logística.


Fonte: Só Notícias
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar