Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Webinar Gratuito

Lei do Gás aumenta competitividade, foi assunto do Websérie Óleo, Gás e Naval da Firjan do dia 04/08

05/08/2020 | 14h17
Lei do Gás aumenta competitividade, foi assunto do Websérie Óleo, Gás e Naval da Firjan do dia 04/08
Divulgação Divulgação

A Nova Lei do Gás vai trazer maior competitividade a este mercado, na opinião de especialistas que discutiram o Projeto de Lei (PL) n° 6.407/13, na Websérie Óleo, Gás e Naval da Firjan, em 4/8. Representantes do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), Naturgy Brasil, Braskem e Nova Transportadora do Sudeste (NTS) se mostraram confiante na aprovação da legislação ainda em agosto.

No encontro, que tratou de “Oportunidades com o Novo Mercado de Gás”, moderado por Fernando Montera, especialista de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, os participantes foram unânimes em apontar esse momento como único ao se referirem à expectativa positiva no mercado de gás do país.

Ao participar do encontro, Luiz Costamilan, secretário executivo de Gás Natural do IBP, disse que o substitutivo representa a lei que é possível. Para ele, a Lei do Gás respeita tudo o que foi construído, em termos de competição, de abertura e da hegemonia dos estados. “O que estamos buscando, com a abertura do mercado, é que fornecedores façam o gerenciamento do seu portfólio de suprimentos. E escolha de quem vai comprar. Esse é o caminho que a gente está trilhando”, explicou.

Um gás mais competitivo vai viabilizar o aumento de consumo do produto, na opinião de Gustavo Checcucci, diretor de Energia da Braskem. Segundo ele, a indústria tem capacidade de absorver um volume grande desse insumo, mas tem que buscar a competitividade atrelada. “Com isso, a gente vai conseguir efetivamente
Institucionalter um aumento importante no consumo industrial de gás”. O caminho é esse mesmo, pontuou Checcucci. Ele espera que a aprovação da PL ocorra em duas semanas, no entanto, enfatiza que não é a etapa final do processo, mas parte fundamental para que o país continue acelerando nessa direção.

Ao destacar também o momento único no mercado, Bianca Mascaro, diretora Comercial na Naturgy Brasil, disse que a indústria fluminense vai ganhar competitividade no ambiente da comercialização. “Não só com relação aos outros estados da federação bem como para outros países”. Bianca destacou que a abertura do mercado é interessante também porque, quanto mais as indústrias consumirem gás, mais a empresa vai conseguir levar infraestrutura a regiões hoje não atendidas. “Isso só é possível com o aumento da competição, com a redução da molécula”, acrescentou.

Edson Real, diretor Comercial na NTS, afirmou que o acesso a novos ofertantes de gás gera um dinamismo na indústria que antes não havia. Ele garantiu que tem todo interesse em expandir a malha de dutos, hoje com 2.048 quilômetros: “Isso vai ser um processo de médio e longo prazos, mas com a competição, o mercado vai reagir e vai ter um aumento de volume de demanda”. Ele lembrou que a redução da tarifa não está na mesa agora, mas acredita que haja espaço maior para a redução no preço do gás via competição na molécula.

A Websérie Óleo, Gás e Naval da Firjan acontece todas as terças, às 16h. Veja a playlist em https://www.youtube.com/playlistlist=PLrU28uWBDTQAtoIRokLyeqXr9PF1ZURxY

Assista ao encontro desta terça-feira (4/8) em https://youtu.be/IErxUxioIkE



Fonte: Redação TN Petróleo, Assessoria Firjan
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar