Rio Oil & Gas 2020

“Janela de Oportunidades” do Brasil em O&G passa por eficiência na gestão de custos e matriz renovável, diz Carla Lacerda

Redação TN Petróleo/Assessoria IBP
03/12/2020 20:16
“Janela de Oportunidades” do Brasil em O&G passa por eficiência na gestão de custos e matriz renovável, diz Carla Lacerda Imagem: Marcos André Pinto Visualizações: 566

Transição Energética e disciplina financeira estão no alvo das grandes empresas de petróleo e gás para um crescimento em convergência com demandas sociais por energia limpa e acessível, além de gestão eficaz de custos diante de uma crise internacional proporcionada pela Covid-19. A presidente da ExxonMobil Brasil, Carla Lacerda (foto), definiu que o país precisa priorizar seu capital intelectual, sua robusta cadeia de bens e serviços (especialmente a subsea) e valorizar seus recursos do pré-sal para seguir na trilha do desenvolvimento em E&P.

InstitucionalA executiva considera que a retomada dos leilões em águas ultraprofundas é parte essencial desta conjuntura. “Temos como desafios implementar um programa exploratório, manter a resiliência do portfólio e fortalecer o nível de atividade para um regime econômico em crescimento”, analisou durante a sessão “Desafios e perspectivas da indústria de O&G no Brasil”, que ocorreu no segundo dia da Rio Oil & Gas.

Miguel Pereira, CEO da Petrogal, avalia que a “palavra essencial” é transição energética, que deve definir a diversificação do portfólio alinhada com as metas do Acordo de Paris. Ele considera que as companhias de energia devem seguir este caminho e alcançar os objetivos de emissões neutras até 2050. Pereira indica que o petróleo ainda é necessário para suprir energia para uma economia mundial com perspectiva de crescimento. Neste contexto, o Brasil tem uma “janela de oportunidades única”. “O país pode ser uma potência em transição energética. Inclusive, podemos projetá-lo como um pólo exportador de hidrogênio”.

InstitucionalA pandemia e a crise trouxeram novos temas para o setor de O&G, que estão integrados com a demanda da sociedade global, de acordo com André Araújo, presidente da Shell Brasil. A Shell tem procurado um equilíbrio entre a aplicação de insumos fósseis e matriz renovável. “No terceiro trimestre de 2020, a companhia apresentou aumento de orçamento para novas energias. Mas, temos 35% dos investimentos em águas profundas, porque acreditamos no potencial do offshore brasileiro.”

Gestão de portfólio em águas profundas e ultraprofundas com redução consistente de custos representa o futuro do setor na análise de Joelson Falcão Mendes, Gerente Executivo de Águas Ultra Profundas da Petrobras. “Estamos investindo, com disciplina financeira, para um crescimento sustentável no longo prazo”, conclui.

Mais Lidas De Hoje
Veja Também
Newsletter TN

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.