acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Investimentos no setor de óleo & gás estimulam o desenvolvimento de projetos de engenharia

28/07/2010 | 13h57
Com os maiores investimentos da história do país anunciados no setor de óleo & gás, empresas de projetos em engenharia veem oportunidades de crescimento inéditas no Brasil. Somente pela Petrobras, foram anunciados US$ 224 bilhões para viabilizar o pré-sal, sendo US$ 118 bilhões focados em exploração. É o maior plano de expansão já previsto pela indústria brasileira. Ao todo, são 686 projetos, sendo que o mercado nacional será responsável por 67% dos contratos, o equivalente a um gasto de US$ 28,4 bilhões ao ano.


A EPC – Engenharia Projeto Consultoria S/A está animada com a perspectiva de crescimento e já vê sinais dessa movimentação. A empresa acaba de assinar dois contratos para o desenvolvimento de projetos no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), empreendimento da Petrobras em Itaboraí que prevê investimentos em torno de U$ 8,38 bilhões. O complexo ocupará uma área equivalente a seis mil campos de futebol.


A EPC irá desenvolver para a Alusa Engenharia o projeto de detalhamento da unidade de Hidrocracreamento Catalítico (HCC) do Comperj, além de desenvolver o projeto em regime Turn Key de distribuição de energia elétrica para a Gel Engenharia, que é responsável pelo o abastecimento de água e a distribuição de energia elétrica do complexo.


A EPC está fornecendo projeto de engenharia multidisciplinar detalhada, gerenciamento de serviços de engenharia, assistência técnica à obra e à montagem e comissionamento da Unidade de HCC, que será a primeira unidade do país a realizar o processo químico de quebra de petróleo usando hidrogênio em alta pressão. Esse procedimento garante produtos finais mais nobres e diversificados do que os obtidos por meio da quebra do petróleo com altas temperaturas, sistema utilizado atualmente no Brasil.


De acordo com o vice-presidente Comercial e Marketing da EPC, Dhenisvan F. Costa, por ser uma planta inédita no país, será um grande desafio para a EPC, para a Alusa e para a Petrobras.”O trabalho em equipe vai ser fundamental para o bom desempenho desse empreendimento”, explicou.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar