Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Demanda

Equinor vê pico de demanda por petróleo ser antecipado em 2 ou 3 anos após vírus

17/11/2020 | 15h47

A petroleira Equinor espera que a demanda global por petróleo alcance seu pico por volta de 2027-2028, dois ou três anos antes do que estimava antes, como resultado da pandemia de Covid-19, disse a companhia nesta terça-feira.

Não há um acordo sobre quando a demanda por petróleo pode atingir seu ápice, mas essas expectativas têm pesado sobre os planos de empresas do setor para explorar e desenvolver novos recursos.

"Presunções anteriores de que o pico de demanda por petróleo ocorreria por volta de 2030 podem ser contestadas", disse a Equinor em relatório anual com perspectivas sobre o setor de energia.

A Equinor vê a demanda por petróleo voltando aos níveis pré-pandemia, de cerca de 100 milhões de barris por dia, por volta de 2025, e caindo para 88 milhões de bpd em 2050, em seu cenário básico, denominado "Reforma".

Há um ano, a empresa via o pico de demanda pouco antes de 2030, em 105 milhões de barris por dia, principalmente devido ao impacto de carros elétricos sobre a demanda por combustíveis fósseis. Em 2050, a projeção era de queda para 93 milhões de bpd, no mesmo cenário.

Restrições de oferta devido aos baixos investimentos no setor também podem impactar o crescimento da demanda no futuro, depois que petroleiras cortaram investimentos em cerca de 30% neste ano, disse a companhia.

"A consequência pode ser que bilhões de barris de petróleo que antes se assumiam como recuperáveis não serão desenvolvidos", acrescentou a Equinor.

Uma queda na oferta de petróleo devido aos baixos investimentos poderia forçar a demanda por petróleo a enfrentar seu pico entre 2027 e 2028, disse a empresa.

Ela também afirmou que mudanças impostas pela Covid-19 sobre o modo como pessoas trabalham e viajam terão um impacto duradouro e reduzirão o crescimento da demanda por petróleo, enquanto energia renovável e carros elétricos devem acelerar.

"É provável que a demanda por combustíveis de aviação vá sofrer por muitos anos, uma vez que a pandemia pode ter alterado de forma permanente a frequência com que voamos", afirmou, no relatório.

 



Fonte: Reuters, 17/11/2020
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar