acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Economia dos EUA cresce 4% no segundo trimestre

30/07/2014 | 14h50

 

A economia dos Estados Unidos cresceu 4% no segundo trimestre, em taxas anuais, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (30) pelo Departamento do Comércio. O número mostra recuperação da economia do país após a queda de 2,1% registrada no Produto Interno Bruto (PIB) no trimestre anterior (dados revisados).
O crescimento é o maior desde o terceiro trimestre de 2013, quando o PIB norte-americano teve alta de 4,5%. Os números divulgados nesta quarta são uma primeira estimativa, e ainda passarão por revisões nos próximos meses. Em valores correntes – o valor de mercado da produção de bens e serviços do país – o PIB cresceu US$ 250,7 bilhões no segundo trimestre, para US$ 17,295 trilhões.
Segundo o Departamento do Comércio, o crescimento do PIB no segundo trimestre reflete principalmente contribuições positivas dos gastos das famílias, investimentos privados, exportações, investimentos fixos não residenciais, gastos de governos locais e estaduais e investimentos residenciais.
Contribuições
O consumo das famílias teve crescimento de 2,5% no segundo trimestre, acima da expansão de 1,2% nos três meses anteriores. O consumo de bens duráveis, como carros e eletrodomésticos, cresceu 14%, enquanto o de não duráveis, como alimentos e roupas, teve alta de 2,5%.
O investimento não residencial cresceu 5,5%, enquanto o investimento em equipamentos teve alta de 7%. Já o investimento residencial cresceu 7,5%, após uma queda de 5,3% no trimestre anterior.
Os dados do Departamento do Comércio mostram que a exportação de bens e serviços cresceu 9,5%, recuperando uma queda de 9,2% no primeiro trimestre. As importações, no entanto – que contam negativamente no cálculo do PIB – também voltaram a crescer, com uma alta de 11,7%. 
Os gastos do governo federal tiveram queda de 0,8%, apesar da alta de 1,1% dos gastos com defesa. Os gastos dos governos locais e estaduais, no entanto, tiveram alta de 3,1%.

A economia dos Estados Unidos cresceu 4% no segundo trimestre, em taxas anuais, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (30) pelo Departamento do Comércio. O número mostra recuperação da economia do país após a queda de 2,1% registrada no Produto Interno Bruto (PIB) no trimestre anterior (dados revisados).

O crescimento é o maior desde o terceiro trimestre de 2013, quando o PIB norte-americano teve alta de 4,5%. Os números divulgados nesta quarta são uma primeira estimativa, e ainda passarão por revisões nos próximos meses. Em valores correntes – o valor de mercado da produção de bens e serviços do país – o PIB cresceu US$ 250,7 bilhões no segundo trimestre, para US$ 17,295 trilhões.

Segundo o Departamento do Comércio, o crescimento do PIB no segundo trimestre reflete principalmente contribuições positivas dos gastos das famílias, investimentos privados, exportações, investimentos fixos não residenciais, gastos de governos locais e estaduais e investimentos residenciais.

Contribuições

O consumo das famílias teve crescimento de 2,5% no segundo trimestre, acima da expansão de 1,2% nos três meses anteriores. O consumo de bens duráveis, como carros e eletrodomésticos, cresceu 14%, enquanto o de não duráveis, como alimentos e roupas, teve alta de 2,5%.

O investimento não residencial cresceu 5,5%, enquanto o investimento em equipamentos teve alta de 7%. Já o investimento residencial cresceu 7,5%, após uma queda de 5,3% no trimestre anterior.
Os dados do Departamento do Comércio mostram que a exportação de bens e serviços cresceu 9,5%, recuperando uma queda de 9,2% no primeiro trimestre. As importações, no entanto – que contam negativamente no cálculo do PIB – também voltaram a crescer, com uma alta de 11,7%. 

Os gastos do governo federal tiveram queda de 0,8%, apesar da alta de 1,1% dos gastos com defesa. Os gastos dos governos locais e estaduais, no entanto, tiveram alta de 3,1%.

 



Fonte: Portal G1
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar