acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Impeachment

CNA declara apoio a movimento em favor do impeachment

06/04/2016 | 15h19

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) anunciou hoje (6) apoio ao movimento em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“A presidente Dilma não está se mostrando capaz de unir a sociedade para um grande projeto de recuperação da economia brasileira. Como somos parte hoje dessa economia que, de alguma maneira, está sobrevivendo, achamos que é necessária urgentemente a conclamação de todos para um grande pacto nacional. Diante disso, consultadas as nossas bases, elas julgaram que temos que estar a favor do afastamento de Dilma”, disse o presidente da CNA, João Martins da Silva, em entrevista à imprensa.

A decisão, segundo Silva, foi tomada após pressão de produtores rurais, sindicatos e federações do setor agropecuário, motivada pela declaração de um dirigente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), que conforme a CNA, teve o objetivo de incentivar a invasão de propriedades rurais. A declaração do dirigente da Contag foi feita durante cerimônia no Palácio do Planalto.

“O que motivou [a decisão] foi a pregação, por parte da Contag, da intranquilidade no campo. O produtor rural tem que ter a certeza de que não existe intranquilidade para produzir”, disse Martins.

Na última sexta-feira (1º), o secretário de Finanças e Administração da Confederação dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), Aristides Santos, disse que os trabalhadores do campo iriam ocupar fazendas e gabinetes de parlamentares da chamada "bancada da bala". As afirmações foram feitas por Santos no Palácio do Planalto, em cerimônia de assinatura de decretos de desapropriação de terras para a reforma agrária. “Vamos ocupar as propriedades da bancada da bala. Vamos ocupar os gabinetes deles, mas também as fazendas deles”, disse Santos na ocasião.

O ministro da Justiça, Eugênio Aragão, disse ontem (5) que considera a reação de movimentos sociais do campo, que têm se mobilizado contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, proporcional à ação de grupos que trabalham pelo impedimento.

Ao analisar o futuro cenário político, o presidente da CNA disse que caso não ocorra o impeachment, a presidente perderá a condição de governabilidade com o apoio de apenas um terço do Congresso Nacional. No caso de impeachment, ele espera que seja possível construir um grande pacto nacional para recuperar o país.

Questionado sobre a posição da CNA em relação à presidente licenciada da entidade e ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB), que decidiu permanecer no cargo mesmo após o partido ter saído da base de apoio do governo, João Martins respondeu que a confederação não vai se posicionar. “Ela se distanciou do produtor rural quando optou por continuar a defender um governo que a cada dia está se desintegrando”.

 



Fonte: Agência Brasil/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar