acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo

Brasil fabrica primeiras unidades hidráulicas para testes de umbilicais

02/05/2014 | 12h45
Brasil fabrica primeiras unidades hidráulicas para testes de umbilicais
Divulgação. Parker Hannifin Divulgação. Parker Hannifin

 

O Brasil começou a fabricar unidades hidráulicas de grande porte para testes de umbilicais – equipamento utilizados em sistemas offshore de produção de petróleo. A Parker Hannifin, empresa especializada em soluções para movimento e controle, forneceu os componentes embarcados nas seis primeiras unidades produzidas, construídas e entregues pela Servotec - fabricante de sistemas hidráulicos do Grupo Hidrautini - para a GE Oil & Gas, no final de 2013. Até então, a única opção era importar o equipamento inteiro.
Estas unidades realizarão testes nestes equipamentos que são responsáveis por conduzir óleo hidráulico, ar comprimido, água e outras utilidades que possibilitam a extração de petróleo em águas profundas. Os cabos umbilicais estão sujeitos às mudanças do tempo e às ondulações do oceano. Devido a estas variáveis, precisam resistir tanto à flexão quanto ao tracionamento.
As unidades hidráulicas simulam em terra os movimentos que os cabos sofrerão em uma aplicação real na plataforma marítima. Esses testes ajudam a garantir a isenção de falhas no futuro, quando os cabos já estão em alto mar.
Idealizadas para fornecer potência aos blocos de controle e cilindros empregados nos testes, as unidades contam com reservatórios capazes de armazenar até mil litros de óleo hidráulico. Quatro delas podem trabalhar com pressão de até 210 bar (unidade de pressão), fornecendo vazão de mil litros/minuto (250 LPM litros cada). As outras duas fornecem vazão de 500 litros/minuto (250 LPM cada) a 320 bar.
O projeto foi desenvolvido de forma que os seis equipamentos possam ser utilizados tanto de forma independente quanto interligados, aplicando esforços para testes dinâmicos e estáticos em frequência de ciclagem de até 10Hz, totalizando 750 CV de potência instalada.
Dentre as tecnologias fornecidas pela Parker para estas unidades, estão filtros, válvulas de controle, conexões, mangueiras e bombas variáveis de pistões da série P2, estas últimas destinadas a aplicações que envolvem movimentação.

O Brasil começou a fabricar unidades hidráulicas de grande porte para testes de umbilicais – equipamento utilizados em sistemas offshore de produção de petróleo. A Parker Hannifin, empresa especializada em soluções para movimento e controle, forneceu os componentes embarcados nas seis primeiras unidades produzidas, construídas e entregues pela Servotec - fabricante de sistemas hidráulicos do Grupo Hidrautini - para a GE Oil & Gas, no final de 2013. Até então, a única opção era importar o equipamento inteiro, que chega no Brasil com preço final de cerca de US$ 15 mil. Agora, com a produção nacional, o índice de conteúdo local chega a 80%.

Estas unidades são responsáveis por fornecer a energia necessária para a realização dos testes nos equipamentos que conduzem óleo hidráulico, ar comprimido, água e outras utilidades para a extração de petróleo em águas profundas. Os cabos umbilicais estão sujeitos às mudanças do tempo e às ondulações do oceano. Devido a estas variáveis, precisam resistir tanto à flexão quanto ao tracionamento.

As unidades hidráulicas simulam em terra os movimentos que os cabos sofrerão em uma aplicação real na plataforma marítima.
Idealizadas para fornecer potência aos blocos de controle e cilindros empregados nos testes, a tecnologia possui reservatórios capazes de armazenar até mil litros de óleo hidráulico. Quatro delas podem trabalhar com pressão de até 210 bar (unidade de pressão), fornecendo vazão de mil litros/minuto (250 LPM litros cada). As outras duas fornecem vazão de 500 litros/minuto (250 LPM cada) a 320 bar.

O projeto foi desenvolvido de forma que os seis equipamentos possam ser utilizados tanto de forma independente quanto interligados, aplicando esforços para testes dinâmicos e estáticos em frequência de ciclagem de até 10Hz, totalizando 750 CV de potência instalada.

Dentre as tecnologias fornecidas pela Parker para estas unidades, estão filtros, válvulas de controle, conexões, mangueiras e bombas variáveis de pistões da série P2, estas últimas destinadas a aplicações que envolvem movimentação.

 

*A nota foi alterada para correção de informação, no dia 20/05/2014, às 10h33.



Fonte: Revista TN Petróleo, redação com assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar