Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Bioeletricidade

Biomassa gera 1,5 vez mais energia do que térmicas a gás

16/10/2020 | 19h02

Em um dos meses mais secos dos últimos anos, a energia ofertada pela bioeletricidade para a rede foi de 3.124 GWh. Embora o dado represente uma queda de 1% em relação a setembro de 2019, a geração renovável foi mais de oito vezes superior à geração do carvão mineral no último mês e 1,5 vez superior à geração total oferecida pelas térmicas a gás no país, em setembro de 2020.

As informações são do “Boletim Bioeletricidade em Números – Outubro/2020”, editado pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), com base em dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A informação é referente à geração pela biomassa em geral, incluindo as diversas biomassas destinadas para produção de energia elétrica, além do bagaço e da palha da cana-de-açúcar.

De acordo com a CCEE, em setembro, o consumo de energia elétrica cresceu 2,9% em relação ao mesmo período de 2019, por conta do retorno gradual das atividades econômicas do país.

Importância do setor sucroenergético

No acumulado (janeiro a agosto de 2020), o levantamento revela que a produção de bioeletricidade para a rede atingiu 17.486 GWh, crescimento de 4% em relação ao mesmo período de 2019. Desse total, 89% da geração de bioeletricidade para a rede esteve concentrada em apenas cinco estados: São Paulo (46%), Mato Grosso do Sul (13%), Minas Gerais (12%), Goiás (11%) e Paraná (7%), todos na chamada Região Centro-Sul sucroenergética.

No mesmo período, a biomassa de cana-de-açúcar produziu 14.164 GWh de energia para a rede, ou 81% do total gerado pela fonte bioeletricidade (17.486 GWh).

Para Zilmar Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA, embora em agosto de 2020, comparado com mesmo mês em 2019, a bioeletricidade sucroenergética para a rede tenha apresentado uma redução de 5%, no acumulado deste ano, de janeiro a agosto, a fonte apresentou alta de 2% em relação à igual período em 2019.

“Essa energia derivada cana para a rede representa uma geração equivalente a uma economia de 10% da energia armazenada anual sob a forma de água nos reservatórios das hidrelétricas do submercado Sudeste/Centro-Oeste, pela maior previsibilidade e disponibilidade da bioeletricidade no período seco”, comenta Souza.

Institucional

Segundo a UNICA, o potencial técnico de geração de bioeletricidade para a rede, com base em dados da Safra 2019/20, pode ser estimado em quase 200 mil GWh. Considerando que a geração sucroenergética no ano passado para a rede foi de 22,5 mil GWh, aproveita-se apenas 11% do potencial técnico de geração de bioeletricidade sucroenergética para a rede.



Fonte: Redação TN Petróleo/Assessoria Unica
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar