acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Logística

Açu Petróleo encerra 2018 com 61 operações ship-to-ship

14/01/2019 | 13h35

Anuncio 2019 TN Petróleo

A Açu Petróleo, parceria da Prumo Logística com a Oiltanking, realizou 40 operações de transbordo de petróleo em 2018, o que representa uma alta de 235%, comparando ao ano de 2017. Com esse avanço, a empresa totaliza 61 operações desde o início das suas atividades. Esse rápido crescimento representa um marco para a empresa, que começou a operar recentemente, em agosto de 2016.

Além disso, em 2018 a Açu Petróleo realizou sua 1º operação com navios do tipo VLCC (Very Large Crude Carrier), que tem capacidade de armazenamento de até 2 milhões de barris de petróleo bruto. Em 2018, 9 VLCCs realizaram operações de transbordo no Terminal. Para poder operar com este tipo de navio, a empresa investiu cerca de R$ 400 milhões em dragagem de aprofundamento do canal e da bacia de evolução para 25 metros. Com isso, o T-OIL passou a ser o único terminal privado no país com capacidade para receber navios tipo VLCC.

No final do ano, a Açu Petróleo ainda recebeu as certificações de conformidade emitidas pela ABS (American Bureau of Shipping) para o seu sistema de Gestão da Qualidade - ISO 9001: 2015, Gestão Ambiental ISO 14001:2015 e Gestão de Saúde e Segurança - ISO 45001:2018 - antiga OHSAS 18001.

“No Terminal da Açu Petróleo, a operação de transbordo é realizada em área abrigada por quebra-mar, possibilitando uma operação rápida e segura, sendo muito pouco afetada por condições climáticas adversas, que se reflete em um menor custo global para os nossos clientes. Esse é o nosso diferencial”, afirmou Victor Bomfim, CEO da Açu Petróleo. O terminal tem capacidade para realizar três operações de transbordo de petróleo simultaneamente e é licenciado para movimentar até 1,2 milhão de barris de petróleo/dia.

Para 2019, as expectativas são de crescimento das operações e de novos investimentos. “Com a retomada da indústria de O&G e a previsão de crescimento de 70% da produção de petróleo no Brasil nos próximos 10 anos, será necessária uma logística eficiente para dar suporte à curva crescente de exportação, que deve mais que dobrar neste mesmo período. Neste cenário, além das operações de transbordo que já oferecemos, iremos dar início aos trabalhos de investimento em um Parque de Tancagem de óleo cru no Terminal, que também deverá contar com os serviços de tratamento, blending e de-watering”, destacou o executivo.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar