Internacional

Regras de economia de combustível nos EUA são menos rigorosas que proposta original

Reuters, 10/06/2024
10/06/2024 09:10
Visualizações: 157

O governo do presidente norte-americano, Joe Biden, finalizou nesta sexta-feira regras mais rígidas de economia de combustível para caminhões e veículos utilitários esportivos até 2031, mas o novo ordenamento não é tão rigoroso quanto as propostas inicialmente, informou uma agência federal.

A Administração Nacional de Segurança no Trânsito nas Estradas (NHTSA, na sigla em inglês) disse que as novas regras propostas resultarão em penalidades muito menores do que as originalmente propostas, uma vitória significativa para as montadoras de Detroit.

Os fabricantes de automóveis elogiaram as mudanças e os grupos ambientais as criticaram.

Em julho de 2023, a NHTSA propôs o aumento dos requisitos de economia média de combustível em 2% ao ano para carros e 4% ao ano para comerciais leves de 2027 a 2032.

Mas de acordo com a regra final, a NHTSA não exigirá nenhum aumento para comerciais leves em 2027 e 2028 e exigirá apenas incrementos de 2% de 2029 a 2031.

No ano passado, a NHTSA disse que sua proposta de aumentar os padrões de economia de combustível até 2032 custaria ao setor 14 bilhões de dólares em multas projetadas. Isso inclui 10,5 bilhões de dólares para as três grandes montadoras de Detroit: 6,5 bilhões para General Motors, 3 bilhões para Stellantis e 1 bilhão para Ford.

De acordo com a regra final, espera-se que o setor automotivo enfrente coletivamente um total de até US$ 1,83 bilhão em multas até 2031 - e pode ser tão pouco quanto nada - com base em vários modelos, disse o governo da NHTSA à Reuters.

Os fabricantes de automóveis compram créditos ou pagam multas se não conseguirem atender aos requisitos do conjunto de regras chamado pela sigla em inglês "Cafe". Em junho de 2023, a Reuters informou que Stellantis e GM pagaram um total de 363 milhões de dólares em multas do Cafe por não terem cumprido as exigências de economia de combustível dos EUA em modelos de anos anteriores.

A NHTSA disse que a regra aumentará a economia de combustível para cerca de 50,4 milhas por galão até 2031, de 29,1 mpg atualmente. No ano passado, a agência projetou que a regra aumentaria os requisitos para 58 mpg até 2032.

Essa é a terceira ação regulatória que o governo Biden tomou nos últimos meses que não restringiu as propostas regulatórias para veículos tanto quanto prometido. Ações anteriores incluíram novos cálculos de conformidade para veículos elétricos que eram menos rigorosos do que o proposto originalmente e regras de canos de escapamento que, em última análise, exigiriam que os fabricantes de automóveis fabricassem menos veículos elétricos do que haviam previsto originalmente.

John Bozzella, que dirige o grupo comercial Alliance for Automotive Innovation, que representa as principais montadoras, elogiou as revisões que reduzirão drasticamente as penalidades projetadas que seus membros temiam.

"Essas multas não teriam produzido nenhum benefício ambiental ou economia adicional de combustível e teriam desviado tolamente o capital das montadoras dos investimentos maciços exigidos pela transição para os veículos elétricos", disse Bozzella.

Dan Becker, diretor da Campanha de Transporte Seguro para o Clima do Centro de Diversidade Biológica, disse que a NHTSA "cedeu à pressão das montadoras" e afirmou que a "fraca regra final da agência desperdiça muita gasolina, expele muita poluição e cede o mercado de veículos limpos para as montadoras estrangeiras".

Newsletter TN

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.