Pesquisa coloca o cérebro como foco da atuação intelectual "driblando" o excesso de tecnologia e redes sociais

27/04/2022 13:33

Visualizações: 593

Avanços tecnológicos que tem como finalidade simplificar as atividades diárias do ser humano, também tem provocado a perda de capacidades.

Uma pesquisa divulgada pela Revista Multidisciplinar Ciência Latina, com o apoio da Redilat, rede de pesquisadores latino-americanos, traz estratégias que favorecem a aprendizagem funcional, por meio da memorização e análise e estimula o desenvolvimento da criatividade tanto na escola, quanto no meio social. A pesquisa foi desenvolvida pelos estudantes do mestrado de psicologia na Universidad Santander do México, Karla Ivonne Jaime Zamudio e Ignacio de Jesús López Álvarez, com a orientação do neurocientista e professor desta universidade, Dr. Fabiano de Abreu Agrela.

Segundo o estudo, os avanços tecnológicos que tem como finalidade simplificar as atividades diárias do ser humano, também tem provocado a perda de capacidades, o que gera preguiça mental, distorce a realidade e limita a capacidade de concentração e imaginação.

"Nossa intenção com a exposição desse estudo é lembrar que o cérebro deve ser colocado mais uma vez no foco da atuação intelectual, já que é esse órgão que gera aprendizagem significativa", explicou Karla.

A pesquisa cita como um dos fatores sociais que está reduzindo a capacidade de memorização nos indivíduos, a utilização excessiva da internet e dispositivos eletrônicos, principalmente quando não são usados para fins criativos, pedagógicos e ilustrativos.

"Para desenvolver a inteligência, compreensão e memória, existem mecanismos, como a ginástica cerebral ou treinamento cognitivo que ajuda a estimular os neurônios e suas interações em favor de uma neuroplasticidade funcional que se adapta às necessidades. A inteligência faz parte do processo de memorização, onde uma determinada região do cérebro pode se desenvolver ou atrofiar de acordo com a falta de estímulos específicos", detalha Ignacio.

A pesquisa ainda traz dicas e exercícios que podem ajudar a aumentar a quantidade de informações memorizadas, além de reduzir a possibilidade de desenvolver déficit de memória no futuro, entre elas estão: preparar um ambiente antes de iniciar o estudo; ler o texto em voz alta; anotar informações por tópicos; dividir os tópicos em folhas coloridas; entre outras dicas.

O estudo desenvolvido à pedido do Dr. Fabiano de Abreu Agrela, faz parte de um projeto da Universidad Santander do México para uma adaptação e mudança no método de ensino no México que vem sofrendo consequências negativas pós confinamento. 

Artigo publicado: https://ciencialatina.org/index.php/cienciala/article/view/2061/2980

Sobre o Dr. Fabiano de Abreu Agrela

Ele é PhD, neurocientista, mestre em psicologia, biólogo, historiador e antropólogo, além de possuir outras formações. É membro da Society for Neuroscience nos EUA e da Redilat, rede de cientistas latino-americanos, também é professor e cientista na Universidad Santander e Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International e cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler.

Registros: FENS PT30079 / SFN C-015737 / SBNEC 6028488 / SPSIG 2515/5476

Fonte: Redação com assessoria

 

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

10