O trabalho remoto pode prejudicar o aprendizado no trabalho?

29/04/2024 13:32

(0) (0) (0) (0) Visualizações: 1682

Novo estudo sugere que provavelmente aprendemos mais com nossos colaboradores quando trabalhamos perto deles.

 

Quatro anos após o início da pandemia da COVID-19, muitos trabalhadores ainda estão fazendo home office pelo menos algumas vezes por semana. As reuniões de Zoom com colegas de trabalho, antes consideradas uma tendência pandêmica de curta duração, permaneceram presentes nos calendários de trabalho. E os trabalhadores geograficamente flexíveis relatam melhorias na produtividade e satisfação.

Então, isso significa que não precisamos mais nos ver pessoalmente? A distância não faz diferença alguma? Não quando se trata de aprender por meio da colaboração, diz Hyejin Youn, professor associado de administração e organizações da Kellogg School.

Ao analisar mais de 17 milhões de publicações científicas nos últimos 45 anos, Youn e Frank van der Wouden, da Universidade de Hong Kong, descobriram que os pesquisadores cujos colaboradores se encontravam no mesmo local tinham muito mais propensão de obter novos conhecimentos de seus colegas de trabalho do que dos que colaboraram à distância.

Por estarem juntos fisicamente - poder ler a linguagem corporal, refletir sobre problemas em um quadro branco e se unir para usar equipamentos de laboratório especializados - é bastante importante quando o conhecimento ainda não está codificado.

“Aprendemos pessoalmente uns com os outros mais do que pensamos", diz Youn. “Esse aprendizado faz parte do nosso sucesso como seres humanos, especialmente quando se trata de conhecimento novo, ainda não definido. É preciso se estar presente para ver e aprender. E a colaboração no local é a forma de podemos fazer isso”.

Como as colaborações levam a novos conhecimentos

Mesmo antes da pandemia da COVID-19, parecia cada vez mais irrelevante a distância geográfica entre pessoas e organizações. Os avanços nas tecnologias de comunicação e transporte pareciam ter achatado o globo, e os trabalhadores tanto domeio acadêmico e da indústria descobriram que a colaboração e a transferência de conhecimento poderiam ocorrer com sucesso sem levar em conta as fronteiras institucionais e internacionais.

Entretanto, Youn não estava convencido de que a colaboração remota fosse um substituto perfeito para encontros juntos na mesma sala. Por que, então, o conhecimento e a inovação ainda se concentram nas cidades urbanas? Por que as viagens de negócios ainda eram tão populares? Essas tendências parecem sugerir que a criação e a transferência de conhecimento podem se beneficiar do fato de trabalharmos juntos pessoalmente.

Assim, para estudar o efeito da geografia na aprendizagem entre colaboradores, Youn se uniu a van der Wouden, na época pós-doutorando da Kellogg, para estudar se e como a produção de conhecimento dependia da proximidade física.

A dupla analisou dados do Microsoft Academic Graph, que incluíam informações sobre milhões de publicações acadêmicas de autores cujas publicações datavam entre 1975 e 2018.

Youn e van der Wouden queriam identificar acadêmicos que haviam adquirido novos conhecimentos a partir de suas colaborações anteriores. Um bom indicador para isso, eles concluíram, era fazer pesquisas em um novo campo: alguém que começou sua carreira em uma disciplina acadêmica (ciência dos materiais, por exemplo), depois colaborou com autores de outra disciplina (química) e, por fim, publicou um artigo nesse novo campo (química) como único autor. O resultado parecia ser uma evidência relativamente direta sobre o que o acadêmico havia aprendido com sua colaboração anterior. Embora em muitas disciplinas trabalhos acadêmicos de um único autor sejam raros, a equipe conseguiu encontrar 1,7 milhão de autores que atenderam a esse critério.

Em seguida, identificaram as localizações geográficas desses 1,7 milhão de autores e seus colaboradores, até mesmo onde ficava o prédio do autor. (Por exemplo, se o autor foi listado como docente do departamento de psicologia da Universidade de Harvard, o prédio onde se encontra o departamento de psicologia era considerado como a localização.) Se os autores estivessem a menos de 700 metros de distância um do outro, cerca de 10 minutos a pé, as colaborações seriam consideradas locais.

Eles também analisaram o estágio da carreira dos autores, o ranking de sua instituição e o número de autores em suas publicações em grupo.

Para investigar se os acadêmicos aprenderam com seus colaboradores, a equipe calculou uma taxa de aprendizagem. Essa taxa - a porcentagem de estudiosos que primeiro colaboraram com os acadêmicos em um novo campo e posteriormente publicaram um artigo nesse campo - foi calculada quanto a colaborações locais e não locais dentro de cada disciplina acadêmica.

A equipe também calculou o valor da aprendizagem por colaborar localmente versus à distância. Por exemplo, se um campo tivesse uma taxa de aprendizado local de 10% e uma taxa de ensino à distância de 5%, isso mostraria que os acadêmicos que colaboraram localmente tinham duas vezes mais chances de aprender com essa colaboração.

Quem tem mais a ganhar com as colaborações locais?

Youn e van der Wouden descobriram que a colaboração local entre os docentes analisados diminuiu acentuadamente ao longo do tempo - de 75% das colaborações em 1975 para 60% em 2015. Ao longo desse mesmo período, a distância geográfica média entre os colaboradores dobrou para quase 2 mil quilômetros.

"Graças à tecnologia, agora colaboramos ainda mais em grandes distâncias", disse Youn. Mas esse poder de acesso tem seu preço”. “Quanto maior a distância entre os colaboradores, menor a probabilidade de aprenderem uns com os outros”, diz ela.

Na verdade, em todas as disciplinas acadêmicas, a taxa de aprendizagem foi maior para colaborações locais do que para colaborações de longa distância.

No entanto, a taxa não foi a mesma entre as disciplinas. Em campos como história e ciência política, a distância teve um impacto negativo, porém pequeno, na aprendizagem.

Entretanto, os pesquisadores em ciência e engenharia sofreram muito mais pela distância. Os geólogos, por exemplo, apresentaram uma grande taxa de aprendizado com as colaborações locais. E a distância geográfica prejudicou mais os cientistas em química, ciência dos materiais e engenharia. A taxa de aprendizagem deles foi muito menor em colaborações não locais, talvez porque esses campos dependam mais de instrumentos e equipamentos que exigem colaboração presencial.

E hoje, os acadêmicos têm ainda mais a ganhar com a colaboração local. A equipe calculou que o valor da aprendizagem por colaborar localmente aumentou de 50% em 1975 para 85% em 2015.

Certos acadêmicos tinham mais a ganhar com as colaborações locais, segundo a análise, incluindo os que se encontravam nos estágios iniciais de suas carreiras e aqueles em instituições de nível inferior.

“Isso é compreensível, porque no início da carreira, a pessoa ainda precisa adquirir conhecimento, e deve estar presente para tal quando o conhecimento ainda não está codificado", diz Youn. É como andar de bicicleta. Não se aprende a andar de bicicleta lendo um artigo acadêmico”.

Trabalhar de home office? Má ideia caso queira aprender com os colegas.

Evidentemente, o mundo passou por transformações desde que o artigo mais recente do conjunto de dados foi publicado em 2018. Agora, as reuniões pelo Zoom e Microsoft Teams são muito mais comuns, mesmo entre colaboradores locais. E embora trabalhar remotamente parecia ter sido uma realidade temporária, muitas empresas estão se ajustando a uma nova realidade em que os trabalhadores exigem trabalhar de home office pelo menos algumas vezes por semana. Como então essa nova realidade afetará o aprendizado no futuro?

As pessoas que trabalham de home office podem estar perdendo oportunidades de expandir seus conhecimentos, o que pode ter consequências no desenvolvimento de sua carreira, tanto no curto prazo quanto no futuro. “Isso pode resultar em uma disparidade de conhecimento e segregação", diz Youn. “Especialmente se estiver no início de carreira. Pode-se perder oportunidades de aprendizagem colaborativa que, em última análise, beneficiam a carreira da pessoa”.

Muito trabalho remoto também pode também grandes consequências para a inovação, que muitas vezes surge da troca de ideias entre as equipes. “Se desejar ser um inovador, se quer colaborar e aprender uns com os outros na vanguarda", diz Youn, “é preciso estar lá pessoalmente".

Isso não quer dizer que toda colaboração precise ser local. Pode haver aprendizagem à distância, como Youn descobriu quando, no final desta pesquisa, o coautor van der Wouden foi contratado pela Universidade de Hong Kong. Ainda assim, diz Youn, foi difícil coordenar as chamadas por Zoom e "não era a mesma coisa em comparação à quando trabalhamos juntos pessoalmente". Ele acredita que se a mudança de van der Wouden tivesse acontecido no começo da pesquisa, enquanto eles estavam pensando em conceitos e ideias-chave, os desafios teriam sido muito maiores.

Youn sugere que as empresas devem encontrar a combinação exata de ter funcionários trabalhando de home office, onde possam ser produtivos, e tê-los no escritório, onde possam trabalhar juntos para criar novos conhecimentos; as empresas focadas em inovação devem ter um cuidado especial para encontrar o equilíbrio certo. As empresas que buscam expandir seu portfólio de conhecimento também devem procurar estabelecer escritórios em regiões onde esse conhecimento esteja localizado, como o Vale do Silício para tecnologia ou Washington, DC, para temas relacionados ao governo.

“Reúna as pessoas para que possam trocar ideias pessoalmente", diz Youn. “Somos incrivelmente bons em aprender uns com os outros, especialmente nessas formas obscuras que podem levar à inovação”.

Previously published in Kellogg Insight. Reprinted with permission of the Kellogg School of Management.

Imagem: Foto de Vlada Karpovich via pexels

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.