Mercado de trabalho: 35% dos brasileiros se sentem inseguros no emprego

25/10/2023 15:24

Visualizações: 4898

A insegurança dos trabalhadores com relação à estabilidade do emprego é um grande desafio para os empregadores. De acordo com o relatório People at Work 2023: A Global Workforce View, do ADP Research Institute, 35% dos trabalhadores, no Brasil, afirmam não se sentir seguros no emprego e os homens estão mais preocupados com essa questão do que as mulheres (38% ante 32%).

Na média global, 38% das pessoas não se sentem seguras no emprego. Entre os pontos abordados, destaca-se que os sentimentos de insegurança no emprego são mais elevados entre os jovens. Metade (50%) da geração Z (entre 18 e 24 anos) afirma não se sentir segura no seu trabalho. Em contrapartida, 24% das pessoas com mais de 55 anos sentem o mesmo.

“Os trabalhadores estão se sentindo preocupados com os empregos, principalmente com as notícias de demissões em massa em empresas de alto nível, assim como com as novas tecnologias que supostamente podem ocupar os empregos deles. Assim, as empresas deverão ter de tomar medidas, sempre que necessário, para tranquilizar os colaboradores talentosos que pretendem reter”, ressalta Claudio Maggieri, general manager para a América Latina na ADP. 

“É necessário assegurar cada vez mais que os esforços sejam reconhecidos com salários e ambiente justos e oferecer  um plano de carreira na empresa. Pois dessa forma serão mais capazes de se concentrar em fazer um excelente trabalho sem se preocupar com o futuro. Porém, caso os empregadores não tranquilizem os trabalhadores, correm o risco de perder importantes talentos, o que pode dificultar a prestação do nível de serviço que os clientes e consumidores esperam”, complementa. 

Tecnologia aumenta as incertezas dos trabalhadores

As percepções surgem em um momento no qual os cortes de vagas ocorrem em muitos setores do mercado de trabalho, incluindo empresas de tecnologia e de consultoria, além dos desafios contínuos em áreas que foram particularmente atingidas pela pandemia, como a hotelaria. Outro fator que preocupa os trabalhadores é o surgimento de novas ferramentas como a Inteligência Artificial (IA) que acabam ameaçando potencialmente mais tipos de empregos e gerando mais insegurança.

De um modo geral, 62% dos trabalhadores pensam que nenhuma profissão deixará de ser afetada pela atual incerteza econômica. Do ponto de vista de implementação da tecnologia, quase um em cada quatro trabalhadores (23%) acredita que a utilização da IA se tornará norma na sua área pelos próximos cinco anos com intuito de reduzir as tarefas manuais.

Nesse contexto, um em cada cinco trabalhadores da Geração Z (20%) considerou a possibilidade de mudar de setor nos últimos 12 meses e um quarto (25%) pensou em criar a própria empresa. Também uma em cada seis pessoas com mais de 55 anos (17%) considerou o movimento de demissão conhecido como “grey resignation”.

Para mais informações sobre a pesquisa, acesse o link.

Sobre a pesquisa: 

A pesquisa explora a percepção dos trabalhadores em relação ao mundo atual do trabalho e o que eles esperam do local de trabalho no futuro.

O ADP Research Institute® entrevistou 32.612 trabalhadores em 17 países ao redor do mundo entre 28 de outubro e 18 de novembro de 2022:

  • 7.721 na Ásia-Pacífico (Austrália, China, Índia e Cingapura)
  • 15.290 na Europa (França, Alemanha, Itália, Holanda, Polônia, Espanha, Suíça e Reino Unido)
  • 5.751 na América Latina (Argentina, Brasil e Chile)
  • 3.850 na América do Norte (Estados Unidos e Canadá).

Dentro da amostra, foram identificados trabalhadores temporários e permanentes, além de mais de 8.613 pessoas trabalhando exclusivamente na economia gig. Os temporários são aqueles que trabalham de forma contingencial, temporária ou sazonal ou como freelancer, contratado independente, consultor, trabalhador temporário ou usam uma plataforma on-line para obter trabalho. Empregados permanentes foram identificados como aqueles que não estão trabalhando na economia gig e, em vez disso, têm um cargo fixo seja em período integral ou meio período.

A pesquisa foi realizada on-line no idioma local. Os resultados gerais são ponderados para representar o tamanho da população trabalhadora de cada país. As ponderações são baseadas em dados da força de trabalho do Banco Mundial, que são derivados de informações do Iostat, o banco de dados central de estatísticas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a partir de 8 de fevereiro de 2022.

Sobre a ADP (Nasdaq-ADP)
A companhia oferece produtos de ponta, serviços de alta qualidade e experiências excepcionais para que as pessoas alcancem o máximo potencial no trabalho. Os serviços e produtos da empresa para RH, talento, benefícios, folha de pagamento e compliance são baseados em dados, mas desenhados para pessoas. Saiba mais em: https://www.adp.com.br.

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

19