Memorização: Neurocientista ensina técnicas para potencializar seu aprendizado

12/08/2022 09:44

(0) (0) (0) (0) Visualizações: 10236

O cérebro humano possui a incrível capacidade de ser exercitado, saiba como usar esse "poder" para facilitar a sua memorização.

 

A memória é uma das mais importantes funções exercidas pelo cérebro, a capacidade de manter e resgatar lembranças foi crucial para nossa evolução e é essencial para nossa sobrevivência, no entanto, na sociedade pós-moderna a capacidade de memorização tem se tornado cada vez menos potente.

 

Esse déficit pode ser explicado pela rotina contemporânea que não demanda esforço cerebral e não contribui para o fortalecimento da memória, outro fator que interfere nesse processo é o excesso de dopamina que o estilo de vida moderno estimula no cérebro com o auxílio de redes sociais e jogos eletrônicos.

 

No entanto, nem tudo está perdido. O cérebro conta com uma incrível habilidade chamada neuroplasticidade, que consiste na adaptação de seus sistemas em face de determinado cenário, possibilitando a sua estimulação através de alguns exercícios.

 

Pensando nisso, o pós PhD neurocientista, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, escreveu um artigo intitulado "Técnicas para memorização - Sobre as células de engramas" - publicado pela Revista Multidisciplinar de Ciência Latina - que se aprofunda nesse processo e apresenta algumas dicas importantes para melhorar a memorização, conheça algumas:

 

Falar em voz alta

Dessa forma você dará estímulos às memórias sensoriais enquanto aprende, mas lembre-se, é desejável que você use essa técnica juntamente com a escrita ou digitação pois você utilizará também um pouco do seu tato e processos mais físicos no processo.

 

Vincule a uma memória de longo prazo

Quando você já possui uma memória estabelecida, tente relacioná-la com a nova memória que está tentando criar, por exemplo, quando você cria uma senha e quer se lembrar dela com facilidade você a vincula a uma data de nascimento ou qualquer outra sequência numérica já enraizada em sua memória.

 

Elabore resumos e esquemas

Apenas ler e recitar o conteúdo não é o suficiente para fixá-lo no seu cérebro, criar resumos, esquemas ou mapas mentais sobre ele ajudam seu cérebro a criar lógicas acerca do tema ajudando a sistematizar os principais conceitos expostos e facilitando a revisão das matérias já estudadas.

 

Repetição

Essa pode parecer uma das dicas mais "batidas", mas apesar de parecer que ela só é útil para memórias de curto prazo, como decorar o assunto de uma prova um dia antes por exemplo, se feita periodicamente em alguns intervalos de tempo específicos ela  também é importante para a fixação de memórias de longo prazo.

 

Ensine sobre o tema

Quando você ensina outra pessoa seu cérebro irá tentar reelaborar o conteúdo de uma forma mais didática, esse processo funciona como uma revisão e reúne diversas dicas já descritas acima de uma só vez, quando você ensina, você repete, fala, vincula a memórias de longo prazo e resume.


 

Além dessas dicas, o Dr. Fabiano de Abreu também apresenta diversos outros truques em seu artigo para auxiliar na sua memorização, mas ressalta que seu cérebro precisa estar saudável para que consiga apreender informações de forma mais eficiente.

 

"O processo de aprendizagem é diferente para cada pessoa, porém o mais importante é lembrar-se que somente um cérebro saudável e descansado é capaz de memorizar uma informação ou conteúdo. Dedique às técnicas, mas não esqueça de se cuidar".


"Uma boa nutrição, dormir de noite e não de madrugada, redução do uso de rede social, vínculo maior com a natureza, maior interação com pessoas, exercícios físicos, leitura aprofundada, documentários que tragam conhecimento, são alguns dos hábitos necessários para que o cérebro possa ter uma melhor capacidade mediante a homeostase necessária para o uso da inteligência".

 

 

 

Sobre o Prof. Dr. Fabiano de Abreu

 Dr. Fabiano de Abreu Agrela, é um PhD em neurociências, mestre em psicologia, licenciado em biologia e história; também tecnólogo em antropologia com várias formações nacionais e internacionais em neurociências. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat - La Red de Investigadores Latino-americanos, do comitê científico da Ciência Latina, da Society for Neuroscience, maior sociedade de neurociências do mundo nos Estados Unidos e professor nas universidades; de medicina da UDABOL na Bolívia, Escuela Europea de Negócios na Espanha, FABIC do Brasil, investigador cientista na Universidad Santander de México e membro-sócio da APBE - Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva.

 

Fonte: Redação com assessoria

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

20