Falta de organização no trabalho pode estar diretamente ligada a síndrome de Burnout

02/09/2022 10:44

(0) (0) (0) (0) Visualizações: 9302

Para o palestrante Alexandre Slivnik é necessário criar uma categorização de tarefas para não sofrer com o acúmulo de atividades

O conceito de “Trabalho e Dedicação” é constantemente disseminado pelas pessoas e dedicar-se ao máximo pode até parecer uma virtude. Mas em alguns casos, uma sobrecarga tem o potencial de ser um estopim que dará origem a uma série de problemas e desconfortos. A síndrome de burnout, por exemplo, é um transtorno causado pelo esgotamento mental e profissional, e está diretamente relacionada à rotina intensa de trabalho.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Pebmed, um em cada três trabalhadores brasileiros sofrem com o burnout, afetando mais de 30 milhões de pessoas no Brasil. No mundo, esse número é ainda maior e isso fez com que a OMS reconhecesse a síndrome como uma doença do trabalho.

Para Alexandre Slivnik, vice-presidente da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), que realiza cursos e palestras há vinte anos, a ansiedade pode ser uma pequena demonstração da síndrome de burnout. “Quando temos muitas coisas para fazer e, ao invés de fazê-las, ficamos protelando algumas atividades que não gostamos de executar, acontece um acúmulo de tarefas que causam ansiedade e estresse, e o excesso desses problemas pode resultar na síndrome de burnout”, relata.

Dados apontam que o Brasil foi, alguns anos atrás, o país mais ansioso do mundo, com quase 10% das pessoas sofrendo de ansiedade. “O medo de não conseguir lidar com todas as tarefas do trabalho ou do dia a dia está diretamente relacionado a esses números, e praticamente todo trabalhador tem essa sensação em determinado momento. Alguns mais, outros menos”, revela o palestrante.

Slivnik acredita que a tecnologia e o acesso à informação são parte da razão por trás desses números. “O conceito de FOMO (fear of missing out), no qual as pessoas precisam estar sempre conectadas e não conseguem deixar de ver uma notícia ou mensagem se tornou um grande problema. Alguns não podem esperar sequer 30 minutos para responder às pessoas no WhatsApp, por exemplo, e isso causa ainda mais ansiedade, prejudica a produtividade e, consequentemente, facilita para que as pessoas tenham burnout”, pontua.

De acordo com o palestrante, o modelo de pagamento mensal adotado no Brasil pode atrapalhar a eficiência dos trabalhadores. “Nos Estados Unidos, por exemplo, muitas empresas pagam por hora trabalhada. Se você trabalha por hora, é preciso ser produtivo durante aquele período de trabalho e, obviamente, o foco acaba sendo maior naquele momento”, declara.

Para o vice-presidente da ABTD, muitas pessoas, sim, sofrem burnout por trabalhar em excesso. Mas outras desenvolvem o problema por não saberem gerenciar o trabalho e as atividades de forma correta. “A solução é categorizar as suas tarefas utilizando tags para as principais tarefas, diferenciando as prioridades daquelas atividades que podem esperar um tempo para serem realizadas, mitigando as chances de acúmulo e diminuindo e essa sensação de esgotamento no trabalho”, ensina.

Alexandre Slivnik é reconhecido oficialmente pelo governo norte americano como um profissional com habilidades extraordinárias na área de palestras e treinamentos (EB1). É autor de diversos livros, entre eles do best-seller O Poder da Atitude. É diretor executivo do IBEX – Institute for Business Excellence, sediado em Orlando / FL (EUA).

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

20