Estudantes universitárias brasileiras buscam sistemas planetários e mundos semelhantes à Terra espalhados pela Galáxia

28/09/2023 08:50

(0) (0) (0) (0) Visualizações: 6055

No vasto cenário da ciência, as mulheres têm conquistado cada vez mais espaço. Isso porque contribuem significativamente para o avanço do conhecimento e também para a equidade na participação em grandes descobertas espaciais. Exemplos disso são duas estudantes do Centro Universitário Facens, de Sorocaba (SP), que representam o Brasil pela primeira vez no programa Disk Detetive, uma plataforma de ciência cidadã da NASA que tem como objetivo analisar discos galácticos e identificar sistemas planetários escondidos entre os dados telescópicos, aumentando as chances de encontrar planetas habitáveis.
 

Larissa Paiva, conhecida como "Larittrix", soma de seu nome com o de sua estrela favorita, a Bellatrix, 18, cursa psicologia e Amanda Silva Soares, 22, estuda Engenharia da Computação. Apesar de áreas distintas, a paixão das duas pelo espaço e por contribuir com o incentivo à participação feminina na ciência são um ponto em comum. Juntas, acumulam a descoberta de 23 asteroides e essa é a primeira vez que se arriscam na missão, ainda mais difícil, de encontrar sistemas e planetas parecidos com a Terra.
 

"Além de toda a relevância cidadã de estar fazendo pesquisas voluntárias em prol da proteção do nosso planeta, tem também a importância científica de poder contribuir demais com as pesquisas que já são feitas há tempos para buscar alternativas além da Terra ou ainda analisar e buscar por vida fora do nosso planeta", diz Larissa, que se tornou astronauta análoga ao concluir um curso sobre o tema, no Centro de Treinamento Espacial da WEA (Wogel Enterprise Aerospace), em Brasília.
 

Já Amanda diz que o trabalho é difícil e complexo, mas recompensador. "É uma experiência muito interessante. Eu já tinha participado de coisas do tipo antes, como a análise de asteroides, mas dessa vez é diferente. Confesso que às vezes é um pouquinho cansativo porque são muitos objetos que temos que analisar, além de avaliar os bons candidatos a serem discos galácticos possíveis. Mas apesar disso vale muito a pena".
 

Fabiano Marques, reitor do Centro Universitário Facens, afirma que a Instituição, ao longo dos seus 47 anos, sempre investiu em pessoas e seus talentos, além de fomentar a inovação em ciência e tecnologia. "Temos talentos dentro da Facens que são reconhecidos nacional e internacionalmente nesta área, com diversas descobertas e contribuições. Um aspecto muito importante na valorização de iniciativas como esta é que elas desenvolvem em nossos alunos a curiosidade e a busca por novos conhecimentos, que é a base para o desenvolvimento humano. Incentivamos isso pois acreditamos que, desta forma, cumprimos nosso papel de desenvolver os alunos de maneira responsável, ao mesmo tempo em que promove a geração de conhecimento e o progresso da nossa ciência".
 

Clube Meninas Enlace

A criação do Meninas Enlace em STEM (sigla em inglês para ciência, tecnologia, engenharia e matemática), um clube que surgiu a partir do movimento Força Meninas com o objetivo de unir jovens e mulheres, também foi iniciativa das alunas. Amanda e Larissa, como líderes do projeto que leva o mesmo nome, contaram com o apoio do Laboratório de Colaboração Socioemocional (Enlace) do Centro Universitário Facens para fomentar a ideia dentro e fora do campus.

 

Para Raquel Barros, coordenadora do Enlace, desenvolver, promover e motivar projetos inovadores faz parte do propósito do laboratório. "É tão importante perceber o poder mobilizador das mulheres no processo de transformação da ciência, como também de transformação delas mesmas, com postura, com posicionamento. O Enlace existe para dar oportunidade para os alunos poderem ser protagonistas dos próprios processos de mudança e isso é o que nos movimenta. O grupo terá nosso acompanhamento e também vamos viabilizar toda estrutura e materiais necessários para as atividades", finaliza.
 

As estudantes reconhecem a necessidade de promover a igualdade de gênero nas áreas de STEM, por isso o clube é aberto ao público e atualmente tem atividades online, mas pretende promover ações no campus da Facens, inclusive para unir as alunas do sexo feminino espalhadas pelos cursos. O intuito é acolher e estimular meninas interessadas nessas áreas, proporcionando oportunidades de networking e apoio mútuo.
 

Amanda destaca que fazer parte dessa iniciativa é muito gratificante. "É significativo para mim. Vejo que o clube tem um potencial de fazer a diferença na vida de muitas meninas e que pode contribuir para um futuro mais justo e equilibrado", diz. Larissa concorda, afirmando que "a gente percebeu que seria muito legal adotar a ideia na Facens porque temos mulheres em STEAM sim. Mas onde elas estão? Elas se conhecem? Elas podem contar com o apoio umas das outras? É disso que precisamos".
 

O reitor conta que existe um aumento substancial no número de mulheres buscando as áreas de STEM. "Elas vêm ocupando com êxito este espaço que lhes é de direito. Acreditamos que o futuro envolve a complementaridade nas formas de pensamento e ação, enfim, a diversidade. Neste contexto, é de grande importância que tenhamos cada vez mais pessoas com formas diversas de encarar os problemas e solucioná-los e, sendo assim, sem dúvida nenhuma, as mulheres têm papel de extrema relevância e de fundamental importância para expandirmos o ecossistema", conclui Marques.


Sobre a Facens

O Centro Universitário Facens é um grande hub de inovação e tecnologia - um Smart Campus - conceito premiado dentro e fora do país, que alinha o desenvolvimento de projetos práticos aos eixos de cidades inteligentes e aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. É o 1º Campus 5G do Estado de São Paulo, signatário do Pacto Global e a 1ª universidade privada no ranking internacional de sustentabilidade UI Green Metrics, em um espaço verde de 100 mil m², mais de 50 laboratórios especializados e diversos Centros de Inovação. Nota máxima (5) no MEC e com ótimas avaliações nas demais categorias do Ministério da Educação e no ranking Guia da Faculdade (Quero Educação/Estadão) somente reforçam o compromisso em se manter como uma das melhores instituições privadas de ensino superior no Brasil. Seus 46 anos de história sempre priorizaram a integração da Academia ao Mercado, foco no desenvolvimento empreendedor e cidadão de seus alunos e colaboradores, a busca constante por inovação social e tecnológica e o fomento por um ecossistema de educação completo. Oferece atualmente cursos de graduação, pós-graduação e extensão, abrangendo áreas da Saúde, Engenharia, Arquitetura e Urbanismo, Tecnologia, entre outros. Possui um Instituto de Pesquisas, IP Facens, que atua há mais de 20 anos com os serviços de pesquisa, desenvolvimento e inovação para conectar empresas ao futuro.

Fonte: Redação Tn com assessoria

Foto: Divulgação

Na foto Amanda Silva Soares e Larissa Paiva "Larittrix"

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

20