Egos e pressão por resultados nos mundos acadêmico e corporativo, por Marcos Minoru Nakatsugawa

18/04/2023 09:43

(0) (0) (0) (0) Visualizações: 6886

O mundo acadêmico, usado como válvula de escape para muitas pessoas que se cansam das idiossincrasias da vida corporativa, também não é flor que se cheire. Na academia, há igual (ou até maior) pressão por resultados -- com a diferença de que os indicadores a melhorar não são lucros ou EBITDA, mas sim quantidade de publicações em revistas de proeminência, de apresentações em congressos internacionais, entre outros.
 

Também as disputas egóicas, que nas empresas se acentuam à medida que se ascende na pirâmide organizacional, são semelhantes no ambiente acadêmico -- com a diferença de que, no ambiente acadêmico, o pedantismo é a mola propulsora dos conflitos.
 

Diederik Stapel, pesquisador no campo da Psicologia Social da Universidade de Tilburg, na Holanda, estudava temas extremamente populares e contemporâneos, como estereótipos e discriminação, a eficácia da publicidade e as circunstâncias em que as pessoas, de modo perverso, preferiam feedbacks negativos a positivos.
 

Além da "popularidade" dos assuntos, Stapel era extremamente provocativo nas conclusões a que chegava, com seus estudos: por exemplo, um artigo seu, publicado na afamada revista "Science", afirmava que meios sociais desestruturados, como ruas cheias de lixo, tornavam as pessoas mais propensas a praticar discriminação e a estereotipar as demais.
 

Acusado por pesquisadores juniores de sua equipe, investigações baseadas em modelos estatísticos concluíram que Stapel forjou dados em dezenas de artigos e em 14 das 21 teses de doutorado que ele supervisionara.
 

O impacto é ainda maior quando se trata de Psicologia Social, porque experimentos [ou pseudoexperimentos, em alguns casos] nessa área de conhecimento têm se propagado como vírus nas redes sociais, dado seu apelo emocional -- que, por outro lado, é precisamente a fonte de críticas de muitos pesquisadores sérios, que condenam tal superexposição midiática.
 

Quer um exemplo? Você já deve ter visto aquele "experimento" em que um suposto "menino de rua" e uma caloura de faculdade que faz "pedágio" no semáforo pedem dinheiro aos motoristas, não? Resultado: normalmente, a moça ganha mais que o rapaz.
 

Quem explica esse fenômeno é a Psicologia Social, mais especificamente os estudos sobre cognição social - que investiga como os processos mentais afetam a maneira como as pessoas se relacionam umas com as outras.
 

Fugindo do "popularesco" e voltando especificamente aos impactos nefastos da conduta de Stapel no meio puramente acadêmico, há os pesquisadores que publicaram artigos com ele e outros que usaram suas publicações, referenciando-as em seus estudos: por dever de ofício, esses pesquisadores precisam, como efeito dominó, retratar-se ou mesmo refazer suas pesquisas.
 

Em comunicado oficial, Stapel admitiu a fabricação de dados e pediu desculpas à comunidade acadêmica, dizendo: "Eu falhei como cientista".
 

De imediato, lembrei-me da confissão de altos executivos da montadora alemã VW envolvidos no famoso "escândalo dos motores a diesel", que possuíam um dispositivo eletrônico que mascarava a quantidade de poluentes emitidos por seus veículos. Não sei se disseram "Nós falhamos como executivos", mas se não o fizeram, deveriam ter-se assim pronunciado.
 

O processo de desinflar o ego é parte fundamental do desenvolvimento das pessoas em qualquer ambiente, seja acadêmico ou corporativo.
 

O autor: Marcos Minoru Nakatsugawa é Administrador de empresas e psicólogo formado pela USP, com pós-graduação lato sensu e especialização em Organização e Recursos Humanos pela EAESP/FGV-SP. Mestre em Finanças e Governança Corporativa pela FECAP. Especialização em Psicologia Organizacional e do Trabalho pelo CFP - Conselho Federal de Psicologia.
 

Profissional de Recursos Humanos com mais de 30 anos de experiência, como consultor e executivo de grandes empresas multinacionais e nacionais, entre elas: Arthur Andersen/Deloitte, BOMBRIL, Grant Thornton, IKESAKI Cosméticos e TOYOTA.
 

Professor universitário das disciplinas de Comunicação Estratégica, Ética Profissional, Gestão de Mudanças, Gestão de Pessoas, Psicologia Organizacional e Recursos Humanos, em graduação e pós-graduação, nas instituições: EAESP/FGV-SP, FECAP, FIPECAFI, Oswaldo Cruz, Trevisan, São Judas, SENAC, UNICAMP, UNISO/Sorocaba e USCS.

Presidente, por quatro mandatos consecutivos, do CEAP-RH - Centro de Estudos Avançados de Profissionais de Recursos Humanos, grupo informal de RH mais antigo do País, completando 65 anos em 2023.

 

Sobre a FECAP:

A Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) é referência nacional em Educação na área de negócios desde 1902. A Instituição proporciona formação de alta qualidade no Ensino Médio (técnico, pleno e bilíngue), Graduação, Pós-graduação, MBA, Mestrado, Extensão e cursos corporativos e livres.

Diversos indicadores de desempenho comprovam a qualidade do ensino da FECAP: nota 5 (máxima) no ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) e no Guia da Faculdade Estadão Quero Educação 2021, e o reconhecimento como melhor centro universitário do Estado de São Paulo segundo o Índice Geral de Cursos (IGC), do Ministério da Educação. Em âmbito nacional, considerando todos os tipos de Instituição de Ensino Superior do País, a FECAP está entre as 5,7% IES cadastradas no MEC com nota máxima.

Imagem: divulgação

Fonte: Redação TN com assessoria

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

20